Repressão ou mobilização?
A tarefa do momento é organizar a mobilização pelo fora Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Fora-bolsonaro-13
Ato em Brasília: sem direito a ficar em caso, o povo precisa se manifestar.Arquivo DCO | Foto: arquivo DCO.

Marcelo Freixo, deputado federal pelo PSOL e um dos principais defensores da frente ampla com a direita golpista, parece não ter se colocado de acordo com os novos acontecimentos. Mesmo diante das manifestações ocorridas nos últimos dias, em que o povo saiu nas ruas em várias cidades contra Bolsonaro e os fascistas, Freixo continua não apenas defendendo o isolamento social como o “endurecimento” das medidas nas cidades.

Em postagem no seu Facebook, o deputado do PSOL afirma: “em um cenário mais pessimista, as mortes por Covid-19 no Brasil chegariam a 163 mil. É urgente medidas que endureçam o isolamento social para salvar vidas”.

À primeira vista se trataria apenas da defesa do isolamento contra a medida absurda de reabertura que a burguesia de conjunto decidiu tomar em todos os estados. Com certeza, a política de Freixo não é apenas uma crítica a isso. O que ele propõe é que os governos endureçam leis mais duras de quarentena, o que nesse momento só teria um resultado: um pretexto para reprimir as manifestações que começam a pipocar em todos os estados do País.

Desde o início da pandemia do coronavírus, a esquerda pequeno-burguesa entrou de cabeça na campanha da burguesia e adotou como única palavra de ordem a defesa do isolamento social. A esquerda chegou inclusive, em casos extremos a pedir o lockdown para forçar o povo a ficar em casa e proibir qualquer tipo de manifestação. É isso o que quer Freixo ao pedir o “endurecimento do isolamento”.

Desde o início, no entanto, ficou claro que essa política da quarentena servia apenas como uma aparência para os governos da direita que no fundo nunca fizeram nada de concreto contra o coronavírus, mais ainda, servia como mera propaganda enquanto a maioria do povo continuava obrigado a sair de casa, pegar transporte público, ir trabalhar.

A esquerda pequeno-burguesa, por seu lado, usou a desculpa do “fique em casa” para não mobilizar o povo, enquanto a direita não parou um minuto sequer seus ataques. Foi preciso nos últimos dias que a própria população decidisse sair às ruas, no Brasil e no mundo, para que setores dessa esquerda começasse aos poucos a mudar sua política.

Mas nem todos os setores… como se vê na posição de Marcelo Freixo.

Ao invés de chamar uma mobilização contra o verdadeiro genocídio que está sendo preparado contra o povo, Freixo clama por uma política de fechamento da cidade. Totalmente na contramão das próprias tendências de mobilização do povo.

Enquanto os trabalhadores são obrigados a sair para trabalhar, eles devem ter o direito de se manifestar. Enquanto Bolsonaro e os golpistas estiveram no poder, a única saída é a mobilização nas ruas para derruba-los. Não dá para ficar em casa esperando a morte, a miséria e o fascismo chegarem sem uma reação à altura.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas