Colaboração de classes
Em meio à agudização da luta de classes, um setor direitista da esquerda tenta travestir a direita com o manto da “democracia”, em nome da “unidade nacional”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
estamos_juntos-8164558
Manifesto Estamos Juntos - publicado em forma de informe publicitário na grande imprensa do País | Foto: Reprodução

Atos de rua pelo “Fora Bolsonaro” e contra o fascismo se intensificam por todo o País. São inequívocas as manifestações que apontam para a forte tendência à polarização presente na situação política, e não apenas no Brasil.

Não se trata de um “raio em céu azul”, mas de um início de resposta à crise capitalista agravada com a pandemia do coronavírus. O povo brasileiro que o diga. Já são 30 mil mortes e 500 mil infectados, segundo dados oficiais, ainda que escondam um contingente enorme de subnotificações, o que elevariam os casos à casa dos milhões.

O ato das torcidas do Corinthians e de outros clubes paulistas no domingo aponta que foi ultrapassada uma etapa, e expressam uma linha de continuidade com os atos pelo “Fora Bolsonaro” ocorridos na semana anterior. Esses atos, embora pequenos, demonstraram, na prática, que é possível mobilizar, apesar da pandemia, e até como consequência dela e, também, com o pedido de impeachment dos partidos de esquerda e organizações populares. 

Essa nova situação aponta para uma polarização fortíssima. De um lado, Bolsonaro sustentado pelos militares e, de outro, o conjunto da esquerda em torno do “Fora Bolsonaro”. Um dado importantíssimo e que corrobora com a tendência à mobilização é o espectro social representado no ato de domingo na avenida Paulista. Nitidamente, a esmagadora maioria dos participantes eram pessoas operárias ou de famílias operárias, o que coloca em relevo a insatisfação e revolta crescente de um setor decisivo, que é a classe operária, que encontrou uma válvula de escape diante da paralisia dos sindicatos.

Na contrapartida dessa tendência, numa tentativa de conter a polarização crescente, uma parte da esquerda que assinou o impeachment de Bolsonaro – o setor mais direitista dentro da esquerda – intensificou, em conjunto com setores da burguesia, a campanha em torno da “união nacional pelo Brasil”. Ou seja, pretende, na prática, abrir caminho para que a direita, seus partidos e políticos – os mesmos que defenderam o golpe de Estado de 2016, a destituição da presidenta Dilma, a perseguição ao PT, a perseguição, prisão e posterior cassação de Lula das eleições, e com isso garantir a vitória de Bolsonaro – sejam incorporados ao movimento.

Apoiados pela grande imprensa golpista e venal, começam a “brotar como cogumelos depois da chuva” hashtags e manifestos em torno da defesa de uma grande unidade nacional. 

Na realidade, trata-se de uma política pelo “Fica Bolsonaro”. Emblemático, nesse sentido, é o manifesto amarelo, intitulado “Estamos juntos”. Um texto, no qual Bolsonaro não é citado sequer uma vez, está recheado de lemas como: “unir a pátria”, “projeto comum”, “frente ampla diversa”, usar o exemplo  do “movimento diretas já”.

Apenas para mencionar para algum desavisado que não conheça a história do movimento das “Diretas já”, ocorrido em 1983/1984, ao contrário do que a nota procura apresentar (“como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum”) – tratou-se de uma operação de sequestro das grandes mobilizações populares contra a ditadura em proveito da burguesia e dos partidos que haviam sido o sustentáculo da própria ditadura, com toda a grande mobilização sendo canalizada para o túmulo das reivindicações populares que é o Congresso Nacional. Nos dias de hoje, seria como um governo Bolsonaro sem Bolsonaro, mantendo todos os bolsonaristas, a direita, o regime político saído do golpe de 2016.

Mas, como dito, o Manifesto chega a ser pior ainda. É a favor da permanência de Bolsonaro. O que os “cabeças” da frente ampla querem é que a direita “democrática” pressione Bolsonaro para que ele entre na “linha” em torno de um projeto maior, em defesa do Brasil, e que toda a polarização seja canalizada para eleições futuras.

Desde já, a esquerda e os movimentos populares que se reivindicam efetivamente pelo “Fora Bolsonaro” devem intensificar por todos os meios possíveis os atos de rua. As condições estão absolutamente dadas.Tudo leva a crer que a barreira de contenção da esquerda do “fica em casa” foi definitivamente ultrapassada. A situação se desdobrou de forma espetacular. A iniciativa está com a esquerda que assinou o pedido de impeachment. Quanto mais decidida for a intervenção das massas na próxima etapa política, mais perto estará colocado a derrubada de Bolsonaro e, com ele, todo o regime golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas