Frente ampla “fica Bolsonaro”
Presidente da Câmara dos Deputados deixa evidente que a política de toda a direita golpista é manter Bolsonaro e defender os interesses dos grandes capitalistas contra o povo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
saida-do-cafe-da-manha-entre-o-presidente-jair-bolsonaro-psl-e-o-presidente-da-camara-dos-deputados-rodrigo-maia-dem-1542199028470_v2_1280x853
Deputado do DEM não deixa dúvidas de que a burguesia não considera a possibilidade do impeachment | Foto: Arquivo/DCO

A entrevista de Rodrigo Maia no programa Canal Livre, na última segunda-feita, evidenciou seu firme posicionamento em defesa do governo ilegítimo de Jair Bolsonaro, no momento em que – sob o seu comando – o País está para atingir a marca de 100 mil mortos, e os surtos ataques ao PT , tendo assinalado que as “pedaladas” fiscais da presidenta Dilma Rousseff – que serviram de pretexto para sua cassação – seriam mais graves do que a conduta genocida e criminosa do atual governo.

Trata-se de um posicionamento enfático que busca não deixar dúvidas sobre a posição majoritária do grupo majoritário no Congresso Nacional, o “centrão”, liderado por Maia sobre sua posição totalmente a favor da permanência de Bolsonaro.

Uma posição que evidencia o fracasso da política ilusória de setores da esquerda que alimentava a ilusão de que seria possível encontrar uma saída contra Bolsonaro por meio dos inimigos dos trabalhadores e da esquerda, ou seja, de que um setor da burguesia golpista, integrado por Maia, iria se colocar a favor do “Fora Bolsonaro“. Estes setores procuram apresentar o presidente da Câmara como um elemento democrático, progressista, o que nunca correspondeu à realidade, uma vez que ele foi o principal articulador no Congresso dos mas importantes ataques contra os trabalhadores como nos casos das “reformas”  trabalhista e da Previdência.

O posicionamento, claramente bolsonarista do deputado ocorre no momento em que intensifica-se a disputa pela eleição do comando da Câmara, a ser realizado no começo do ano que vem, na qual o bloco DEM/MDB/PSDB, ou seja, o estado maior do golpe de Estado no Congresso, procuram se articular para impedir uma vitória do grupo ligado mais diretamente ao presidente da República, que eles também ajudaram a eleger, mas com o qual travam uma disputa pelo controle do aparato do Estado, como representantes de distintas frações da burguesia golpista.

Nestas condições, eles se afastaram do bloco geral governista, com a saída do Dem e do MDB do “blocão”, para impedir que houvesse a indicação de um candidato bolsonarista por esse setor que pudesse impedir os planos dos tradicionais chefes do “centrão” sobre o Congresso Nacional, como ocorre desde antes do golpe de Estado. Assim eles vão procurar um apoio fora desse bloco junto a setores da frente ampla, como o PSDB, PDT etc. e até de setores da esquerda que vem tradicionalmente se aliado a Maia, como o PCdoB e setores da direita do PT, para manter sua hegemonia no Congresso.

Toda a tentativa de apresentar a frente ampla como algo progressivo e capaz de trazer para posições mais progressistas a direita golpista, cai por terra. Mais deixa claro que “está com Bolsonaro e não abre” que, se depender da sua vontade e dos setores que representa não vai haver processo de impeachment e nenhum processo para derrubar o presidente.

As declarações de Mais não são um fato isolado, uma vez que se dão na semana seguinte a que o próprio governador do Maranhão e principal figura pública do PCdoB, propôs uma pacto com o presidente, a pretexto de combate o desemprego, o que torna evidente que os núcleos principais da frente ampla têm como perspectiva a permanência do genocida e a busca de um entendimento com ele.

Não pode haver dúvidas que a defesa dos interesses dos explorados diante da crise passa bem longe da politica de frente ampla, da capitulação de setores da esquerda burguesa e pequeno burguesa diante dos golpistas, do seguidismo a esses setores, cúmplices do governo do capitão e dos generais na matança do povo e na promoção do maior retrocesso da economia nacional e das condições de vida do povo de todos os tempos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas