Uma primeira análise
Mais de cinco mil pessoas ficaram feridas no país que tem desafiado a dominação dos monopólios capitalistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
explosao libano
Explosão no Líbano | Foto: Marwan Tahtah

É bastante difícil mensurar o tamanho do estrago causado pela explosão que ocorreu no Líbano na última terça-feira (4). Para que se tenha ideia, mais de 135 pessoas morreram e pelo menos 5 mil ficaram feridas. Isso é o mesmo que dizer que a explosão matou 170% de libaneses a mais que a COVID-19 e feriu o mesmo número de pessoas que a pandemia contaminou no país. Calcula-se ainda que 300 mil pessoas tenham ficado desalojadas, o que representa 4% da população libanesa. Esse último número corresponde, em média, aos efeitos de 13 dias da Segunda Guerra Mundial.

Bairros inteiros foram devastados pela explosão. Estimativas preliminares indicam que o governo libanês terá que arcar com uma despesa de mais de cinco bilhões de dólares — ou seja, mais de 26,5 bilhões de reais. Esse valor corresponde a aproximadamente 10% do Produto Interno Bruto (PIB) do Líbano.

Ainda é cedo para afirmar o que de fato levou à explosão. Mas, apenas diante desses fatos, podemos constatar, com toda a certeza: se o Líbano tem inimigos, eles estarão comemorando. E a verdade é que o povo libanês tem, sim, inimigos com os quais deve se preocupar.

Os grandes inimigos do povo libanês são os inimigos de toda a humanidade, os grandes monopólios capitalistas, que controlam a curtas rédeas os países imperialistas. Não só os Estados Unidos, como também a França, a Inglaterra, a Alemanha e seus associados, têm uma ficha criminal gigantesca de ataques cometidos no Oriente Médio, motivados unicamente pelo seu interesse em controlar a região.

O Líbano, pelas suas próprias características, se tornou um dos países que mais tem se rebelado contra a dominação imperialista no Oriente Médio. A ala esquerda do regime libanês, que se encontra alojada no Hezbollah, detém um poderoso exército que tem, inclusive, sido determinante na defesa do governo nacionalista de Bashar al-Assad. Nas últimas eleições libanesas, o Hezbollah conseguiu aumentar sua influência sobre o regime, expressando a tendência do povo libanês em se radicalizar contra a interferência do imperialismo no Oriente Médio.

Não é de hoje que o imperialismo tem sofrido derrotas na região. A guerra da Síria é apenas um exemplo de como a burguesia mundial tem tido cada vez mais dificuldades para controlar o Oriente Médio. Ao mesmo tempo em que vem perdendo o controle, o imperialismo se vê obrigado a aumentar as agressões contra os países da região, assim como vem fazendo na América Latina, de modo a procurar encontrar uma saída para a crise capitalista. Nesse cenário, um choque com os setores nacionalistas, que se opõem à política de terra arrasada, é inevitável.

Assim como o Líbano é aliado do governo sírio, é também um importante aliado do governo iraniano, duramente sabotado pelo imperialismo. O Líbano, inclusive, faz parte de um plano do Irã de formar uma federação contra o imperialismo. Ao mesmo tempo, o Líbano é um entrave para a política de Benjamin Netanyahu, da extrema-direita israelense, que quer expandir o território de seu país.

Se o imperialismo está ou não por trás do ataque, ainda não está claro. Mas é inegável o seu interesse em desestabilizar o Líbano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas