HAMBURGUER_1
SHARE

Fascistas promovem atos

Caso da Alemanha mostra que burguesia não quer conter o fascismo

Mobilização em Berlin, realizada no último sábado, mostra que a burguesia alemã não quer atacar os fascistas

Tempo de Leitura: 2 Minutos

Mais de 20 mil pessoas de acordo com a polícia local. – Arquivo.

Publicidade

Neste último sábado (1), milhares de manifestantes, organizados pela extrema-direita fascista, saíram às ruas na Alemanha, sobretudo na cidade de Berlim, sob o lema de “O Fim da pandemia – Dia de liberdade”, em que colocavam-se contra as medidas de restrição no combate à pandemia.

De acordo com a polícia local, o ato teve cerca de 20 mil pessoas, e, com alguns confrontos, 45 agentes ficaram feridos. Esta é uma das maiores manifestações realizadas em todo mundo durante a pandemia.

A extrema-direita deu um passo importante que demonstra seu fortalecimento em todo continente Europeu, principalmente na Alemanha após as últimas eleições, onde a AFD (Alternativa para a Alemanha) teve um grande resultado graças à crise com os imigrantes. Recentemente, a primeira ministra Angela Merkel anunciou a dissolução de um dos setores das forças armadas alemãs que, de acordo com o próprio governo, estavam dominadas por nazistas.

Foi revelado em cima disso que este setor dentro das forças armadas estavam roubando armas do próprio exército e as enviando para grupos de extrema-direta. Logo, embora os grupos de extrema-direita estejam muito pulverizados, as manifestações mostram seu forte crescimento. Só em um setor da AFD tem mais de 7.500 integrantes, e o governo alemão já declarou que os fascistas são o principal problema de segurança pública.

A esquerda pequeno-burguesa tem a ilusão de que, pelo fascismo não ter grande força parlamentar, em si não seria uma ameaça. Contudo, por meio de grupos “vagos” como a própria AFD, os fascistas podem facilmente entrar nos principais cargos nacionais.

Além disso, fica claro pelas grandes manifestações, que o menor dos problemas é o acesso ou não ao parlamento. Os fascistas, com a paralisia de toda esquerda alemã, abrem caminho no terreno das mobilizações e crescem com velocidade.

A burguesia não busca se confrontar diretamente com os grupos fascistas, apenas adota uma política de controle, que, logicamente, não servirá para segurar o crescimento do fascismo, mas sim, acelerá-lo.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Mais Lidas
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTT

70 ANOS DA REVOLUÇÃO CHINESA - COM RUI COSTA PIMENTA (CURSO COMPLETO)

99 Visualizações 71 minutos Atrás

Watch Now

Send this to a friend