Fascistas promovem atos
Mobilização em Berlin, realizada no último sábado, mostra que a burguesia alemã não quer atacar os fascistas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1596311471500
Mais de 20 mil pessoas de acordo com a polícia local. | Arquivo.

Neste último sábado (1), milhares de manifestantes, organizados pela extrema-direita fascista, saíram às ruas na Alemanha, sobretudo na cidade de Berlim, sob o lema de “O Fim da pandemia – Dia de liberdade”, em que colocavam-se contra as medidas de restrição no combate à pandemia.

De acordo com a polícia local, o ato teve cerca de 20 mil pessoas, e, com alguns confrontos, 45 agentes ficaram feridos. Esta é uma das maiores manifestações realizadas em todo mundo durante a pandemia.

A extrema-direita deu um passo importante que demonstra seu fortalecimento em todo continente Europeu, principalmente na Alemanha após as últimas eleições, onde a AFD (Alternativa para a Alemanha) teve um grande resultado graças à crise com os imigrantes. Recentemente, a primeira ministra Angela Merkel anunciou a dissolução de um dos setores das forças armadas alemãs que, de acordo com o próprio governo, estavam dominadas por nazistas.

Foi revelado em cima disso que este setor dentro das forças armadas estavam roubando armas do próprio exército e as enviando para grupos de extrema-direta. Logo, embora os grupos de extrema-direita estejam muito pulverizados, as manifestações mostram seu forte crescimento. Só em um setor da AFD tem mais de 7.500 integrantes, e o governo alemão já declarou que os fascistas são o principal problema de segurança pública.

A esquerda pequeno-burguesa tem a ilusão de que, pelo fascismo não ter grande força parlamentar, em si não seria uma ameaça. Contudo, por meio de grupos “vagos” como a própria AFD, os fascistas podem facilmente entrar nos principais cargos nacionais.

Além disso, fica claro pelas grandes manifestações, que o menor dos problemas é o acesso ou não ao parlamento. Os fascistas, com a paralisia de toda esquerda alemã, abrem caminho no terreno das mobilizações e crescem com velocidade.

A burguesia não busca se confrontar diretamente com os grupos fascistas, apenas adota uma política de controle, que, logicamente, não servirá para segurar o crescimento do fascismo, mas sim, acelerá-lo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas