Trabalhadores à mercê
Jogados sem proteções no principal local de proliferação de vírus, trabalhadores contaminam-se aos milhares no transporte público.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
onibus-sao-paulo-pandemia-coronavirus-24062020152838248
São Paulo tem no transporte público o principal meio de contaminação. | Rivaldo Gomes/Folhapress

A par do avanço da pandemia em todo Brasil, a OMS (Organização Mundial da Saúde) voltou a alterar a data prevista para ser o pico da pandemia no país.

Brasil e Estados Unidos, de acordo com os novos dados são os dois países mais atingidos do mundo pelo novo coronavírus. Quem oficializou esta informação para o país latino-americano foram integrantes do braço regional da OMS, a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que nesta terça-feira anunciaram que o pico no Brasil pode ser em Agosto, e até lá mais de 80 mil pessoas já teriam morrido.

Os novos dados são um reflexo da política adotada pela burguesia e o imperialismo. Após um falso projeto de isolamento social, responsável por garantir uma mínima segurança de apenas 1/3 da população, o governo brasileiro, em uma situação próxima do pico previsto da pandemia, passou a promover a reabertura total do comércio bem como manter o transporte público funcionando quase que integralmente.

Com a não existência de uma política real de combate a pandemia, os governos golpistas adotaram uma política de indas e vindas quanto a reabertura do comércio e o isolamento da população. No entanto, o transporte público, sobretudo nas principais capitais do país, continuou a circular em todo este período, sofrendo poucas alterações.

Junto aos novos dados da OMS, em São Paulo, foram divulgados dados referentes a justamente este problema envolvendo a circulação de pessoas na cidade. Graças ao fato de grande parte da classe trabalhadora ser obrigada a trabalhar, mesmo em pandemia, o transporte público, principal meio de locomoção da população pobre, tornou-se superlotado, algo comum em tempos normais, porém catastrófico durante a pandemia.

O governo de Covas, do PSDB, não adotou qualquer medida razoável para proteger o povo, mesmo durante o trajeto. Assim, segundo pesquisa a respeito da relação do transporte público com a proliferação da pandemia, constatou-se que nas regiões onde há mais circulação de ônibus foram justamente onde há o maior nível de contaminação.

Tais dados são extraídos do sistema de GPS contido nos ônibus locais e refletem diretamente esta política genocida. O povo trabalhador é forçado a trabalhar, e assim, é colocado no maior antro de proliferação do vírus, o transporte público, sem nenhuma garantia de proteção.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas