Greve Geral
A Mobilizaçãol convocada pela Central Operária Boliviana segue o ritmo do regime ditatorial de Añez: se intensifica à medida que os ataques contra os trabalhadores aumenta.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
cob-juan-carlos-huarachi(1)
Juan Carlos Huarachi, presidente da Central Operária Boliviana (COB). | Foto: Reprodução.

Em 2019, ocorreu, na Bolívia, um golpe militar de estado, encabeçado pelos militares, contra o presidente eleito Evo Morales (MAS) e contra toda classe trabalhadora boliviana, instaurando uma verdadeira ditadura encabeçada por Jeanine Añez. Morales foi obrigado a sair do país, depois de renunciar, devido à extrema perseguição que sofreu por parte do regime, sendo, inclusive, acusado de terrorismo.

Neste ano, os ânimos da população boliviana aumentaram, principalmente após a resposta desastrosa do governo de Añez frente à crise intensificada pelo novo coronavírus. À título de exemplo, o país já contabiliza mais de 85 mil infectados, com cerca de 26.500 mortes pela doença, com uma população de pouco mais de 10 milhões de habitantes, menor que a da cidade de São Paulo.

Como tem sido feito ao redor do mundo, a burguesia boliviana utilizou a pandemia como pretexto para acirrar seu regime ditatorial. A algumas semanas atrás, foi anunciado que as eleições gerais do país seriam adiadas para o dia 18 de outubro, decisão supostamente apoiada por “parâmetros técnicos e científicos vinculados à evolução da pandemia”. Fica ainda mais claro que essa decisão não passa de uma tentativa de permanência no poder, impedindo a volta do MAS ao governo, uma vez que está previsto que seu candidato ganhe as votações de forma indiscutível.

Com isso, a Central dos Trabalhadores Boliviana (COB) não se calou.  No dia 28 de julho, convocou a população às ruas e, logo após, anunciou o começo de uma greve geral para o último dia 3, prevista para durar até que a data das eleições seja restabelecida para 6 de setembro. Desde então, após quatro dias de protesto, a mobilização se intensifica cada vez mais, com a realização de bloqueios e manifestações em diversas partes do país.

 

https://www.youtube.com/watch?v=JGyof1Ud2H4

 

Tendo em vista a iminente derrota do regime golpista de Añez, o TSE prontamente se mobilizou, convocando uma reunião com as direções da COB para que tentarum acordo acerca da data das eleições. Todavia, a organização não cedeu, ressaltando que a greve só irá parar caso o governo mude a data do evento. Juan Carlos Huarachi, líder da COB, colocou que não haverá acordo:

“Lamentavelmente, não existe vontade por parte do TSE; ficamos 5 horas justificando o pedido do povo, as reivindicações sociais e os argumentos jurídicos”,

 

disse o líder operário já em meio à gritos de “eleições já” fora do edifício do TSE, na praça Abaroa, em La Paz.

A luta dos companheiros bolivianos deve ser tomada como exemplo para toda a esquerda e setores progressistas da luta pelos direitos dos trabalhadores. Todavia, deve ficar claro, lúcido, que o governo golpista de Añez não pretende, de forma alguma, permitir que o MAS volte ao poder. Farão de tudo para que seu regime continue esmagando a classe operária ao redor de todo país. Nesse sentido, a única opção é a radicalização do movimento. A greve não pode parar com uma decisão favorável por parte do TSE: precisa continuar até que o regime fascista sucumba pelas mãos do povo.

Todo apoio ao povo boliviano!

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas