Eleições na Bolívia
A greve por tempo indeterminado chamada pela Central Obrera Boliviana (COB) exige que o Tribunal Superior Eleitoral mantenha as eleições para o dia 06 de setembro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
BOLIVIA 03 agosto II
Manifestantes saem às ruas de El Alto, Bolívia, pela manutenção das eleições do dia 06 de setembro | foto: EFE

Após as marchas do dia 28 de julho que produziram  grandes concentrações em “defesa da democracia”, e que foram qualificadas como vitoriosas pelos dirigentes das seis federações do Trópico de Cochabamba (federação de camponeses plantadores de coca), saíram hoje às ruas de todo o país a população boliviana pela manutenção das eleições para presidente da república.

 As manifestações populares na Bolívia, pré-convocadas pelas organizações populares para o dia 03 de agosto, bloquearam hoje estradas que ligam Santa Cruz a Cochabamba, ao Beni e a outras regiões, conforme divulgaram hoje vários meios de imprensa.

A greve por tempo indeterminado chamada pela Central Obrera Boliviana (COB) exige que o Tribunal Superior Eleitoral mantenha as eleições para o dia 06 de setembro e não dia 18 de outubro, conforme nova manobra da direita promovida unilateralmente pelo TSE.

Com pedras, paus e morros de areia, os movimentos populares fecharam as rotas pelo país desde as primeiras horas desta segunda. Existem vários pontos de bloqueios na região do Chapare e em Yapacaní, por onde não há como passar pela estrada Santa Cruz-Cochabamba. 

Em El Alto, uma grande quantidade de manifestantes também fecharam vias, queimaram pneus para impedir o deslocamento de carros.

A grande quantidade de pessoas já fez com que a imprensa golpista local chamasse a atenção para a falta de cuidados dos manifestantes com a Covid-19, pela falta de máscaras e o não distanciamento físico. O diário de Santa Cruz “El Deber”, que defendeu o golpe de estado e que faz vista grossas aos descasos do governo golpista de Jeanine Añez, manifestou sua “preocupação” com as manifestações populares.

Cresce, portanto, o descontentamento popular e a pressão para que haja logo as eleições populares para a escolha do próximo presidente da Bolívia. Os golpistas liderados pela presidenta golpistas Jeanine Añez tentam ganhar tempo se articulando em como evitar que o candidato do Movimiento Al Socialismo (MAS), Luis Arce, que lidera as pesquisas, saia vitorioso no próximo pleito nacional. Enquanto isso a população se organiza cada vez mais nas ruas por novas eleições imediatas e pelo desmantelamento do regime golpista.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas