Auxílio Esmola
Um terço das famílias de classe média requereram o Auxílio Emergencial, e 69% delas foram aprovadas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fila auxílio emergencial Caixa
Fila para saque do Auxílio Emergencial. | Foto: Tv Jornal Interior

O Auxílio Emergencial do governo federal, que foi celebrado por toda a esquerda nacional como uma grande vitória de sua “luta” parlamentar, tem se revelado a cada dia que passa como uma gigantesca farsa.

O programa foi feito originalmente para auxiliar os setores da população que possuem empregos ou sub-empregos informais e cuja arrecadação caiu completamente durante a quarentena. A ideia do Auxílio era beneficiar vendedores ambulantes, diaristas, camelôs ou pessoas que ficaram desempregadas com a crise econômica advinda do isolamento social.

Um dos problemas principais é o valor, que é irrisório. O programa oferece para o seu requerente R$600 por mês durante três meses, o que não servirá nem para começar a pagar as contas que recaem sobre o trabalhador brasileiro, como aluguel, luz, água, medicamentos, alimentação, transporte etc. Ainda mais, porque, graças à crise, o preço de todas essas coisas tem subido apenas.

Como se não bastasse esse fator, ainda tem o fato de que existe uma dificuldade muito grande por parte dos trabalhadores de efetuar a inscrição no programa, para a qual é necessária um celular smartphone com conexão à internet, e também para obter o dinheiro do auxílio. Muitas pessoas que conseguem se inscrever não passam da fase “em análise” e muitas que são aprovadas não conseguem sacar o dinheiro, enfrentando filas quilométricas nas agências da Caixa Econômica Federal, inclusive em grandes aglomerações que as colocam em risco de se infectar com o coronavírus.

Como se não bastasse toda essa situação de humilhação à qual a classe trabalhadora vem sendo submetida, um levantamento feito pelo Instituto Locomotiva revelou que um terço das famílias de classe média do país requisitou o Auxílio Emergencial e 69% deles foram aprovados. São 3,89 milhões de famílias mais ricas que têm pelo menos um integrante expropriando o dinheiro que deveria ir para a população miserável.

A fraude feita por essas pessoas consiste em omitir a renda familiar do cadastro feito pelo site da Caixa. São jovens filhos da classe média ou esposas de empresários, que não satisfeitos em explorar ou ser conivente com a exploração da classe trabalhadora feita pela burguesia, ainda querem roubar deles a esmola oferecida pelo governo para que eles não morram de fome.

É preciso denunciar essa conduta absurda de certos indivíduos de classe média, mas também salientar que isso só ocorre porque o plano do Auxílio Emergencial foi elaborado com a finalidade de ludibriar a classe trabalhadora e “subornar” a classe média, que usa o dinheiro para completar a sua renda. Enquanto isso, o povo morre de fome e de coronavírus e se amontoa em frente às agências da Caixa Econômica Federal para lutar por uma esmola que lhe é negada todos os dias pelo governo e pelo processo cheio de obstáculos da inscrição por aplicativo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas