Frente Ampla em ação
Boulos adere aos atos antifascistas para “pacifica-los” para a burguesia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
boulos-ciro
Boulos com o golpista Ciro Gomes | Foto: Reprodução

Como se fosse bonzinho, Boulos anunciou que vai aos atos do dia 7, vai ajudar a convocar, vai distribuir máscaras, vai chamar atos para todos os domingos. Fora o próximo domingo, portanto, a manifestação seguinte ocorreria no dia 14, um dia após a manifestação chamada pelas frentes populares. A Frente de Boulos colocou que iria acabar com os infiltrados, tornar o ato pacífico. Pacificar o ato antifascista para facilitar a vida da burguesia.

Na contramão, os atos antifascistas encabeçados pelas torcidas organizadas, que tem ganhado fama por serem combativos no sentido mais literal do termo, fizeram a burguesia tremer diante da ofensiva desse setor representante das disposições de luta do povo em geral. O próprio Bolsonaro chegou a orientar os seus apoiadores a escolherem outro dia para os seus atos. Os fascistas recuaram diante da ofensiva popular.

Nessa situação, Boulos, agindo como um verdadeiro emissário de Dória para conter a radicalização popular, militando em torno das posições da frente ampla num ato anti-burguesia, na semana em que assinou o manifesto “Juntos”, da Frente Ampla, junto a Fernando Henrique Cardoso, Luciano Huck e outros homens da Burguesia, disse que vai “pacificar” os atos das torcidas organizadas. A retórica esquerdista não esconde a posição direitista do líder da Frente Povo sem Medo, criada para dividir o esforço do estabelecimento de uma unidade na esquerda através da fundação da Frente Brasil Popular. 

A disposição direitista e divisionista, inclusive, é uma verdadeira tradição de Boulos. Enquanto a burguesia articulava o golpe contra a Dilma em 2014, Boulos lançou a campanha “Não vai ter copa”, fazendo frente com os golpistas na oposição à ex-presidenta. Enquanto era necessário intensificar a campanha em defesa do mandato da presidenta no ano precedente ao golpe, em 2015, Boulos passou a chamar atos em oposição ao governo, ganhando uma coluna na Folha de S. Paulo. Enquanto se colocava a necessidade de denunciar o golpe de estado de 2016, exigindo a restituição do mandato de Dilma, Boulos se lançou no “diretas já” e o “fora temer” seguindo outros setores.  Enquanto se colocava a necessidade de unificação da esquerda  em torno da candidatura de Lula em 2018, Boulos lançou a sua própria, com retórica lulista, de modo a dividir o eleitorado. Agora, Boulos chama o ato do dia 14 para confundir e dividir a mobilização unificada para o dia 13. 

A burguesia titubeia entre  o golpe militar e um governo de direita apoiado na frente ampla, não ha lugar para os torcedores enfrentando os fascistas em nenhum desses regimes. Nesse sentido, o desmantelamento das lutas popular é a chave para a investida definitiva da direita. Esse papel está nas mãos de Boulos e da Frente Ampla, ou se fracassarem, nas mãos das baionetas e dos generais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas