Desta vez, ainda mais?
Em 2008, os capitalistas criaram a crise e lucraram com ela; agora não deverá ser diferente e mais: deverá ser ainda pior!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
14086693619_82289400af_k
A União Europeia é controlada diretamente pelos bancos alemães e franceses. | Foto: Thijs ter Haar

Por Eduardo Vasco

Na próxima quarta-feira (27), a Comissão Europeia vai apresentar o plano de recuperação econômica dos países membros da União Europeia que estão sofrendo com a crise acentuada pela pandemia do coronavírus.

O mais provável é que o montante acordado seja o proposto por Alemanha e França na semana passada: 500 bilhões de euros (cerca de 3 trilhões de reais). Esse número é resultado de uma tensa negociação, porque França, Espanha e Itália (países mais afetados pela pandemia), que queriam um subsídio, conseguiram se sobrepor a países como a própria Alemanha, Áustria ou Holanda, partidários de um empréstimo àqueles países.

Voltaremos a esse imbróglio mais adiante neste artigo.

Anteriormente a esse montante, em abril, a UE já havia anunciado um pacote de empréstimos de 540 bilhões de euros aos países que solicitarem a fim de estancar a crise. Dessa soma, 240 bilhões serão destinados como fundo de resgate da Zona do Euro, uma linha de crédito do Mecanismo de Estabilidade Europeu; 200 bilhões serão direcionados para créditos às empresas; enquanto os 100 bilhões restantes irão para um fundo temporário para ajudar as empresas a pagarem os salários e evitar demissões.

É possível perceber, já, que trata-se de um plano de salvamento dos grandes capitalistas em primeiro lugar. Publicamente, não se falou ainda que esses montantes terão os mesmos condicionantes que o resgate financeiro do pós-2008, como reformas estruturais privatizantes e planos de austeridade.

É fundamental destacar, no entanto, que a política econômica da troika (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional, as três instituições internacionais que emprestaram dinheiro aos países europeus afetados pela crise de 2008) não começou a ser implementada imediatamente. Ela foi se desenvolvendo ao longo dos anos pós-crise.

Consequências da crise de 2008 na Europa

Não vamos falar aqui das causas da crise de 2008 na Europa, que está umbilicalmente interligada com o estouro da bolha financeira nos EUA no mesmo ano. O que importa aqui são as consequências.

Como sempre, a corda arrebentou no lado mais fraco, ou seja, nos países mais atrasados da Europa Ocidental: Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha (PIIGS, na sigla em inglês, em uma referência à palavra “porcos”, uma vez que esses países estavam chafurdados na lama).

Na União Europeia, a queda no Produto Interno Bruto (PIB) foi de 4,3%, e de 4,5% na Zona do Euro, no ano de 2009. Por sua vez, entre 2008 e 2013 a retração econômica foi de 26% na Grécia, 9% na Espanha e 8% em Portugal e na Itália.

No mesmo período, a renda dos mais pobres caiu 51% na Grécia, 34% na Espanha, 28% na Itália e 24% em Portugal. Já a dos mais ricos não caiu tanto, como sempre, mas também caiu bastante: 39% na Grécia, 17% em Portugal, 16% na Espanha e 8% na Itália.

Um dos primeiros passos para resolver a crise, logicamente do ponto de vista dos capitalistas, com a quebra da economia na Zona do Euro, foi a formulação de um plano de 200 bilhões de euros para resgatar o sistema bancário. Após os resgates, as dívidas privadas foram repassadas para a dívida pública. Nos anos seguintes, os PIIGS tiveram de tomar empréstimos bilionários da UE e do FMI.

As dívidas com os bancos prenderam esses países, especialmente a Grécia, à política dura de arrocho e austeridade para reformar suas economias, privatizando suas empresas para o capital estrangeiro, realizando demissões em massa no setor público, entregando as empresas privadas nacionais às internacionais, destruindo os programas sociais, reduzindo radicalmente o papel do Estado em setores estratégicos e fundamentais para a vida da população, como a saúde, a educação, o turismo etc.

A troika obrigou todos os países que “resgatou” a apertarem os cintos, ou seja, a sacrificarem seus gastos públicos para entregar esse dinheiro aos grandes bancos. É isso o que significa, no final das contas, o termo “responsabilidade fiscal”.

Um estudo publicado em 2017 pela revista New Political Economy mostrou que em praticamente todos os países que adotaram a política de austeridade neoliberal houve um aumento da desigualdade social (já elevada em anos anteriores à crise).

No pós-2008, a troika controlou os programas de austeridade dos países europeus mais atrasados, como Grécia e Portugal. Mas não foi tão preponderante na Itália e na Espanha, cujos capitalistas são mais poderosos do que nos países anteriormente mencionados, o que lhes deu um maior poder de barganha para repartir os ganhos do saque ao povo em relação aos capitalistas gregos e portugueses.

Entretanto, mesmo assim, a crise de 2008 não foi solucionada. Como tal, levou à crise que vivemos hoje.

A crise econômica de 2020 na UE

O que estamos vendo este ano é a maior queda do PIB desde a criação da União Europeia. Uns dizem que trata-se da maior crise desde a II Guerra Mundial; outros, desde a crise de 1929.

No começo de maio, a Comissão Europeia divulgou uma previsão de queda de 7,75% da economia do bloco em 2020, com um aumento de 9% na taxa de desemprego (sendo 9,5% na Zona do Euro) – pesquisa do Eurofound diz que 28% dos europeus afirmam ter perdido o emprego (ao menos temporariamente) desde o início da pandemia.

Ainda segundo a CE, a Itália terá uma recessão de 9,5%, a Espanha de 9,4%, a França de 8,2% e a Alemanha, de 6,5%.

Além disso, a Itália verá sua dívida pública (que já é a maior do continente) subir de 134,8% do PIB para 158,9%. Já o déficit, cujo máximo permitido pela UE é de 3%, deverá ser de 11,1%. A média do bloco deve ser de 8,5%, enquanto que, em 2019, ela foi de 0,6%.

A Espanha não terá um destino muito melhor que o da Itália este ano. A previsão é de que a dívida pública chegue a 115,6% e o déficit a 10,1% do PIB, enquanto a taxa de desemprego aumentará para 18,9%.

Percebendo o tamanho da crise que se desencadeia, diversos bancos, com permissão do Banco Central Europeu, aumentaram o montante de suas reservas de capital no primeiro trimestre do ano, guardando mais dinheiro para absorver as perdas com eventuais empréstimos inadimplentes de seus clientes.

Isso levou à redução dos lucros ou mesmo ao prejuízo, por exemplo, do italiano Unicredit, que separou 1,2 bilhão de euros para se prevenir de possíveis inadimplências. Já o Barclays reservou 2,4 bilhões de euros e o Santander, 1,6 bilhão. Enquanto isso, o francês Societé Générale acredita que deverá reservar 3,5 bilhões em 2020 e, em caso de uma “paralisia prolongada” devido ao coronavírus, pode chegar a 5 bi.

O “resgate”… dos capitalistas!

Muitas empresas já estão quebrando. Estimativas indicam que o setor aéreo do continente (o mais afetado pela crise do COVID-19) poderá perder mais de 80 bilhões de euros em receitas este ano. Até 7 milhões de trabalhadores poderão ser demitidos. Várias empresas estão pedindo ajuda dos governos.

A Iberia pediu 1 bilhão do governo espanhol; a Alitalia já recebeu 1,2 bilhão do governo italiano; a AirFrance já recebeu 7 bilhões do governo francês; e a Lufthansa aguarda 10 bilhões do governo alemão. Esta última comprou a Brussels Airline, ao se tornar sua única acionista em 2017, e deverá injetar capital para salvá-la. A Brussels também espera por ajuda do governo belga.

Voltemos agora ao plano de resgate de 500 bilhões de euros mencionado no início deste artigo. As negociações sobre a forma como ele se dará foram duras. Os países mais ricos, como Holanda, Áustria e Dinamarca (e, em um primeiro momento, a Alemanha), queriam que esse resgate fosse feito através de um empréstimo aos países mais afetados (basicamente, França, Itália e Espanha). Já estes, queriam que fosse um subsídio, ou seja, sem necessidade de reembolso. O plano acordado entre Angela Merkel (líder alemã) e Emmanuel Macron (presidente francês), proposto por eles aos demais países, faria com que esse dinheiro fosse emprestado para a Comissão Europeia e seus membros teriam de pagar a dívida conjunta até 2040.

Mas por que os dois países imperialistas mais importantes da UE teriam concordado com um plano, aparentemente, desfavorável para seus bancos? Uma hipótese é que aprovaram esse fundo “solidário” a fim de evitar uma crise política generalizada. Isso porque, caso o plano de empréstimo fosse vitorioso, contrariaria totalmente as aspirações da Itália, país mais afetado pela crise e que arcaria com os maiores custos da dívida (que vai crescer ainda mais este ano). E não só: Espanha e a própria França também seriam atingidas. O que esses três países têm em comum? Eles têm os movimentos fascistas mais importantes da Europa, que vêm mantendo uma pressão enorme sobre o regime político e que são declaradamente contrários à integração nos moldes da União Europeia.

Um plano imediato de “resgate” a esses países, fazendo com que acumulassem ainda mais dívidas, poderia levar a uma nova e ainda mais forte tendência de desagregação do bloco.

Porém, essa mesma proposta de Merkel-Macron contém direcionamentos capitalistas. De quem a Comissão Europeia pegaria os empréstimos? A imprensa fala nos “mercados”. Logicamente, os credores seriam os bancos, sempre. Os detalhes ainda deverão ser divulgados proximamente e é preciso estar monitorando.

Já o pacote de 540 bilhões de euros, está ainda mais claro: irá gerar uma acumulação de dívidas para os países que aderirem aos programas, dívidas essas que, todos sabemos, nunca conseguem ser quitadas e transformam ainda mais os países em escravos dos grandes bancos, aniquilando sua soberania.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou: “com esse pacote sem paralelos, carregamos juntos o fardo da crise.” Acredite quem quiser.

A conclusão política que deve ser retirada neste artigo, contudo, é esta: este é apenas o começo. Como dito anteriormente, as medidas mais drásticas pós-crise de 2008 (isto é, a implementação da troika), não foram tomadas imediatamente. Em Portugal a troika durou de 2011 a 2014 e, na Grécia, de 2010 a 2018, com três programas de austeridade.

Os dois pacotes já anunciados atualmente que, juntos, somam mais de 1 trilhão de euros, são pacotes de emergência implementados ainda no começo da crise atual. Tudo indica que muitas outras medidas ainda serão tomadas a fim de “recuperar” as economias europeias. Mas a UE aprendeu com 2008 e agiu muito rápido. Essa “recuperação” também pode marcar um salto qualitativo no saque das nações europeias pelos grandes bancos, credores eternos de suas dívidas, senhores de escravos modernos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje