Mulheres pelo fim da PM
As mulheres devem participar ativamente da política contra os ataques da extrema-direita que avança contra os poucos direitos já conquistados pelas mulheres.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
whatsapp-image-2020-09-22-at-19.06.14-1-
Manifestantes protestaram em frente ao Comando-Geral da PM no Amapá | Reprodução

Após a violência policial sobre a pedagoga Eliane, houve uma ampla mobilização dos movimentos sociais contra violência policial e o racismo no Amapá. Contudo, a questão que se coloca diante desse episódio é que de fato a proteção das mulheres não se dará por meio da polícia militar, feita para atacar os pobres, pretos e as mulheres.

Na noite de sexta-feira (18) a pedagoga Eliane depois de ser agredida por policiais militares foi presa por resistência, desacato e desobediência e ainda teve que pagar fiança de 800 reais. O filho dela gravou e publicou nas redes sociais o vídeo em que ela aparece filmando a cena da abordagem policial contra seu marido, quando um dos militares dá voz de prisão para Eliane, tenta imobilizá-la, leva ela ao chão e dá um soco no rosto. Ela também foi agredida verbalmente durante a abordagem e também na delegacia, com ofensas de cunho racista. Além dela, o marido também foi detido pelas mesmas acusações. Ambos são negros e não sabem por que foram abordados. Os policiais envolvidos não tiveram suas identidades reveladas e foram afastados de suas atividades.

Na última terça-feira (22), centenas de pessoas se reuniram em um ato pacífico em frente ao Comando-Geral da Polícia Militar (PM), Zona Sul de Macapá, segurando cartazes e aos gritos de “vidas negras importam” e “justiça”. Manifestantes citaram que o estado do Amapá é o que tem a maior taxa de mortos pela polícia em todo o país. De acordo com Rayane Penha, de 24 anos, integrante do coletivo Utopia Negra Amapaense, movimento antirracista, e que fez parte da organização do protesto, o ato nasceu como um processo de reação contra a ação violenta da Polícia Militar contra a pedagoga e que as pessoas não mais devem aguentar esse tipo de opressão.

Como vem sendo denunciado aqui no Diário da Causa Operária, o papel da polícia na luta da mulher é apoiar a agressão. Os partidos da esquerda pequena burguesa apresentam leis e projetos de defesa da mulher como um grande avanço, como o projeto Ronda Maria da Penha, onde a própria polícia militar monitora o comprimento das medidas protetivas. As mulheres enquanto um dos setores mais oprimidos da sociedade, sabem que não serão os aparelhos repressivos da burguesia que irão resolver os problemas das mulheres e a impunidade dos PM’s.

Por isso o Partido da Causa Operária incentiva que as mulheres participem ativamente da política e se organizem para lutar contra os ataques da extrema-direita que avança contra os poucos direitos já conquistados pelas mulheres, reivindicando o fim da Polícia Militar; a legalização do aborto e a garantia da segurança e proteção das mulheres e de seus filhos, vítimas de agressão doméstica.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas