Reciclar a imundície golpista?
Folha Pela Democracia Use Amarelo”, agora precedido de # é slogam recauchutado na campanha de reciclagem da imundície golpista de 2016, Folha juntos com somos 70% e misturados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
unnamed (1)
"Eu quero votar pra presidente", a principal reivindicação das mobilizações das "diretas já" | Foto reprodução Istoé

“Movimentos democráticos resgatam amarelo como símbolo”, abre manchete nesta segunda-feira, 29 de Junho, o jornal nada democrático, Folha de S.Paulo“O poder e significado do amarelo…”, em nova manchete da nada democrática FolhaUol, neste domingo, 28 de Junho de 2020. É a continuidade da campanha da Folha de S.Paulo, nada democrática. Pior, sempre golpista tentando, de novo, se reciclar, da imundície golpista em que de novo se vê atolada.

E por tudo isto, deveríamos, como sugere a presente manchete, que deveríamos todos realizar uma campanha do tipo, “Somos Folha de S.Paulo”?

Folha de S.Paulo, o maior jornal burguês paulista, a seguir, tenta passar a borracha, como antigamente nas escolas se fazia, para apagar os escritos errados. A Folha, sempre golpista, reescreve as tentativas de reciclo, de sua imundície golpista. Tenta mostrar-se de novo, democrata, o que ela nunca foi. Folha de S.Paulo foi parte fundamental do golpe de 64. Ela foi parte fundamental da implantação da ditadura. A Folha foi parte fundamental da propaganda da ditadura. Foi parte financiadora da logística da ditadura.

Ao final da ditadura de 64, quando ela ía ser varrida pela mobilização operária, a Folha foi fundamental para fraudar a mobilização revolucionária. Folha de S.Paulo entrou de cabeça na campanha das diretas já. E não foi para obter a vitória das diretas já, quando a principal reivindicação não era a cor amarela. A principal reivindicação era “Eu quero votar pra presidente” já. Naquelas gigantescas mobilizações até se usava o amarelo é verdade, mas o mais visível sobre uma enorme cédula eleitoral na cor amarela, era um “x” rabiscado com caneta, dentro de um quadrado, seguido da palavra de ordem “Eu quero votar pra presidente”.

A campanha se alastrou por todas as cidades. O ex-prefeito de Embu das Artes à época, Nivaldo Orlandi, afirma que: “não me lembro, da campanha feita pela folha, “Folha de S.Paulo, Pela Democracia Use Amarelo”. “Pode até ter havido”. Mas o Embu das Artes à época, por exemplo, entrou de cabeça na campanha das diretas, não por democracia em abstrato, Embu entrou de cabeça na campanha para poder votar pra presidente pelo voto direto e já.

Na Praça da Sé, por exemplo, 20 ônibus o poder público da cidade, colocou à disposição do povo, e contribuiu em muito para lotar a praça da Sé, em 25 de Janeiro de 1984. Embu seguiu o governador do Estado, então Franco Montoro, que também se jogou de cabeça na campanha pra ter o direito de eleger o presidente da república pelo voto direto do povo. E não por democracia em abstrato.

Operação de transformar os golpistas de 2016 em defensores da democracia

A burguesia de conjunto, utiliza a Folha de S.Paulo para uma manobra arriscada, declara Rui Costa Pimenta em sua análise na TV 247 desta terça, 30 de Junho. “Trata-se de uma operação política audaciosa da parte mais importante do golpe de 2016, tentando se apoderar de um movimento de tipo democrático. De que seria de oposição a Bolsonaro, que seria de oposição ao golpe de Estado. Uma jogada extremamente audaciosa de transformar os golpistas de 2016 em defensores da democracia. E colocar as pessoas que se opuseram ao golpe de 2016 a serviço desses golpistas. A cor amarela foi a que dominou o golpe de 2016. Agora voltar a usar as mesmas cores, mas que agora seria em defesa da democracia. É muito cinismo. É muita audácia”, continua Rui.

A última coisa que esse movimento defende é “a democracia”. O que temos aqui, é um movimento que levou o Bolsonaro ao poder. Sustentou o bolsonaro até hoje. Uma parte desse setor está entrando no governo bolsonaro. Eles pretendem manter o bolsonaro, pelo menos até 2022. Manobra que pode dar em 2022 uma nova vitória ao Bolsonaro. Se não vier coisa pior.

O movimento não é pra previnir nenhum golpe de Bolsonaro. Querem colocar todo mundo a serviço deles numa operação para recuperar tudo o que eles perderam em função de sua própria política de golpe de estado em 2016.

Essas pessoas são mais ameaçadoras do que Bolsonaro. Quem despertou a onda bolsonarista foi esse pessoal da Folha que agora quer se passar por democrata. Se amanhã, Bolsonaro ou outra forma de fascismo triunfar, vai triunfar com o apoio deles.

Amanhã, se a burguesia sentir a necessidade de dar um golpe militar, eles vão apoiar o golpe militar. Eles elegeram o bolsonaro pra não deixar o PT ganhar. Entre o PT e Bolsonaro, eles são Bolsonaro, finaliza Rui Costa Pimenta, em sua análise de todas as terças, na TV 247, com transmissão simultânea com a COtv.

Folha uma vez golpista, golpista sempre

Folha que fez campanha pelo golpe de Estado contra Dilma. A Folha que contribuiu para o impedimento de Lula candidato em 2018. A Folha que contribuiu para dar força a Moro, no processo farsa para condenar Lula. A Folha, que contribuiu para eleger o ilegítimo presidente Bolsonaro. A Folha de S.Paulo é a mesma Folha de sempre.

Finalmente a Folha, entra de cabeça de novo, na campanha para o “fica Bolsonaro”, a Folha nos movimentos de reciclagem do lixo golpista de 2016, inclusive a imundície da própria folha, para chamar uma frente para o movimentos Estamos Juntos e Somos 70 por cento, pela campanha de “ressignificar a cor amarela”, a Folha promove recauchutagem na sua própria imagem de golpista com o slogam “#Folha de S.Paulo, Pela Democracia Use Amarelo”, agora precedido pelo dígito jogo da velha, #.

O que a Folha de S.Paulo está fazendo é campanha do “resgate do amarelo” em oposição ao vermelho dos trabalhadores e da esquerda. É uma manobra para tirar a esquerda das ruas e está baseada na ala direita das manifestações, representada por alguns elementos minoritários das torcidas ligadas a Guilherme Boulos (que convocou as pessoas a utilizarem o amarelo nas manifestações).

É a campanha da frente ampla do jornal golpista Folha de S.Paulo, maior jornal burguês do país, na qual os setores da esquerda, como Boulos, que apoiam a frente ampla, servem como reprodutores de uma política direitista e fascistoide dentro do movimento da esquerda. Aderir ao amarelo é aderir aos golpistas, a Folha de S.Paulo, por exemplo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas