Boulos e a direita já
Imprensa burguesa se soma cada dia mais a farsa da frente ampla com golpistas na tentativa de barrar o carater combativo das mobilizações no país
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
boulos
Guilherme Boulos (PSOL) 17 de junho de 2018 | Foto: Reprodução

No dia 27 de junho, a imprensa golpista Folha de São de Paulo que apoiou a ditadura militar de 1964, lançou uma campanha publicitária em “defesa da democracia” que irá contar contar com editoriais especiais, curso gratuito sobre a ditadura e um pequeno vídeo que será exibido nos intervalos do Jornal Nacional, na TV Globo que é abertamente fascista. Além disso, terá acrescentada embaixo do cabeçalho do jornal a frase “#UseAmarelo pela democracia” que foi inspirada e aderida segundo o próprio jornal pelo movimento “Direitos Já”.

O movimento “Direitos Já pela democracia”, nada mais é que uma frente ampla aliada com dezenas de golpistas de direita e extrema direita e tem por objetivo colocar o presidente fraudulento e ilegítimo Bolsonaro “na linha”. No lançamento da campanha “Direitos Já” estiveram presentes figuras que se dizem de esquerda como Boulos, Haddad, Flávio Dino, junto com o que à de pior na direita como Fernando Henrique Cardoso, Tasso Gereissati, Alkimin e por ai vai. Foram convidados Michel Temer, Sarney e Inclusive chegaram a cogitar a presença de Sérgio Moro.

O que podemos observar com essa farsa de frente amplíssima que vai desde partidos de esquerda pequenos burgueses junto com direita golpista, e agora ampliada também pela imprensa mais calhorda e anti democrática do país, é justamente barrar a polarização política que vem se acentuando no Brasil, na busca de uma saída para a crise política e econômica contra a população e em favor dos capitalistas. “Direitos Já” não tem o objetivo de derrubar o governo fascista de Bolsonaro, pois vários que participaram do movimento se declaram contra até mesmo o impeachment do golpista.

Segundo a Folha de S. Paulo ‘as cores Amarelo e Azul devem ser ressignificada e vem sendo adotadas por grupos com bandeiras pró-democracia nas ruas nas últimas semanas’. Vale lembrar que as duas cores são símbolos dos partidos da direita. E está sendo usados para ludibriar os incautos em nome de uma suposta “defesa da democracia”. Como o próprio jornal diz, a campanha já foi usada há 36 anos atrás com a seguinte frase “Use amarelo pelas diretas já”. “Diretas Já” é um acordo na década de 80 da esquerda com a burguesia que apoiava a ditadura militar. E foi uma verdadeira traição ao movimento operário que resultou em um governo odiado pela classe trabalhadora.

Nas últimas manifestações de rua o que se percebe é um verdadeiro descontentamento da população com o governo genocida de Bolsonaro. Por sua vez a imprensa golpista junto com partidos direitistas e de extrema direita, que são considerados os pais desse governo fraudulento, tenta mais uma vez se apropriar das mobilizações, retirando seu caráter de radicalização contra Bolsonaro. E estão utilizando novamente setores da esquerda que não tem relação nenhuma com a classe trabalhadora, muito menos com o povo marginalizado e periférico do país, que vem sentido na pele os efeitos da crise pandêmica e econômica.

A expressão mais acaba dessa farsa de frente ampla e “Direitos já” contra a população se apresenta em Guilherme Boulos (PSOL). Nos últimos atos de rua, ele tem feito de tudo para esvaziar o conteúdo político e combativo dos atos da esquerda. Esse cidadão que se autointitulou dono das mobilizações, tenta ressuscitar a política antidemocrática vista nas manifestações de 2013, do abaixa a bandeira. Foi através dessa atitude que abriu caminho para a direita golpista se apropriar do movimento e dar o golpe na presidenta legitimamente eleita Dilma Roussef.

O que vimos nos atos do ultimo final de semana é o avanço dessa política de capitulação que vem se submetendo uma parcela da “esquerda” junto com a direita encabeçados por Boulos de cercear o vermelho legitimo da classe operária e trabalhadora e as faixas pelo fora Bolsonaro. Em uma parte da manifestação em São Paulo ficou a esquerda vermelha legitima com suas bandeiras e faixas contra Bolsonaro. Do outro lado, infiltrados se utilizando de palavras de ordem que no fim das contas não significam nada e com faixas e até fumaça colorida verde e amarelo.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas