Vestibular
A realização de vestibulares, aglomerando dezenas de milhares de estudantes, ocorre em meio à campanha pela reabertura das escolas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
img
Estudantes realizando prova | Foto: Celso Tavares

Em reportagens publicadas no último domingo (10), o Guia do Estudante (editora Abril) e o G1 (Globo) relatam a primeira fase da Fuvest, prova de concurso vestibular de seleção para a universidade de maior prestígio no País, a Universidade de São Paulo (USP).

Dois dos principais núcleos da imprensa golpista nacional, os veículos, de forma coerente entre si, expressam a agressividade da campanha pela retomada de toda a atividade econômica que ecoa da burguesia e fazem verdadeiras apologias à realização das provas em plena pandemia e no estado mais duramente atingido, aglomerando dezenas de milhares dentre estudantes e fiscais de prova.

A primeira é um recorte de entrevistas realizadas com vestibulandos e seus acompanhantes, destacando belos exemplos de pessoas que viajaram de outros estados para São Paulo para fazer a prova. Da tranquilidade de uma estudante e de sua mãe em relação ao risco de contaminação, da confiança na precária proteção oferecida pelas máscaras e mesmo de táticas dos estudantes para a realização das provas.

A matéria, acompanhando a campanha geral pela reabertura, furta-se a discutir a necessidade deste risco, implicitamente aprovando a realização da prova e mostrando uma situação de normalidade, com vistas a uma vacinação e na qual a iniciativa individual de prevenção seria condição necessária e suficiente para frear a pandemia – a mesma propaganda perversa e demagógica organizada em torno das frases de efeito “Use máscara” e, anteriormente, “Fique em casa”. Por um lado culpa a população pela ameaça e pelo impacto da doença e, por outro, a trata de forma leviana quando o assunto é a defesa dos interesses dos grandes capitalistas.

A segunda, mais objetiva, apresenta detalhes sobre as adaptações do vestibular a esta crise, os tradicionais informes aos estudantes que irão prestar a prova e algumas outras informações. Nos próprios vídeos embutidos na página podem ser observadas quebras aos protocolos de distanciamento social, o que foi divulgado de forma muito mais explícita e em tom de denúncia por usuários de redes sociais. A denúncia que cabe, porém, é da própria campanha pela reabertura, que vem incentivando o relaxamento das medidas preventivas de muitas pessoas, em oposição à campanha terrorista pelo isolamento nos momentos de pico da pandemia.

De forma mais ou menos encoberta, ambas procuram naturalizar a realização da prova, indicando que basta a adoção dos protocolos da dita “nova normalidade” para permitir a gradual retomada de toda e qualquer atividade, o que coloca água no moinho da campanha pela reabertura das escolas, um caminho cujas consequências já são de conhecimento público.

A burguesia e seus representantes políticos brincam com a vida do povo, enquanto se equilibram entre uma revolta popular de grandes dimensões e a própria ruína financeira. O acesso à universidade – longe de ser um simples resultado dos sonhos ou do mérito de cada indivíduo, tem como principal barreira os vestibulares – que restringem este direito, tornando-o privilégio de modo geral, a uma pequena minoria da população. Esta barreira deve ser superada no processo de luta por uma real democratização do acesso ao ensino superior e contra à volta as aulas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas