Santa Catarina
O inquérito escolar, realizado pela Sesa-ES, detectou que 11% dos estudantes em uma pesquisa por amostragem foram contaminados pelo COVID-19 após a retomada das aulas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
test-tube-5065425_1920
O Estado do Espírito Santo registra 230.280 casos confirmados e 4.795 óbitos até o momento, | Reprodução.

A Secretaria de Saúde do Espírito Santo (Sesa-ES) elaborou um inquérito escolar, uma investigação que busca analisar a prevalência do coronavírus entre estudantes, docentes e trabalhadores da educação. No mês de outubro, o Espírito Santo autorizou a reabertura das escolas.

A investigação, desenvolvida quando a reabertura não tinha ainda se completado, detectou que 11,1% dos estudantes e 7,8% dos profissionais tinham anticorpos contra o vírus. Os testes foram realizados entre 86 escolas sorteadas de ensino fundamental, médio e das redes estadual e particular, num total de 13 municípios do Espírito Santo. Em números totais, foram 3.400 professores, 2.300 funcionários e 5.065 alunos testados como amostragem.

O inquérito revelou que os estudantes se contaminaram mais que as demais categorias. A porcentagem de 11,1% corresponde a 560 infecções. Já entre os professores e funcionárias, a taxa foi de 7,8%, correspondente a cerca de 440 pessoas. As escolas municipais apresentaram maiores taxas de infecção dos que as estaduais e particulares. Aqueles que se declararam pretos e pardos figuraram entre os mais infectados.

A porcentagem de infecções foi maior entre estudantes e trabalhadores que se utilizam de transporte público e moram com mais de cinco pessoas. Isto é, a contaminação está diretamente relacionada às condições econômicas da pessoa, que se reflete nas condições de vida .Entre os estudantes contaminados, 37,9% apresentaram sintomas, como dor de cabeça, congestão nasal, tosse, dor de garganta, coriza, febre, anosmia (perda do olfato), mialgia (dor no corpo) e ageusia (perda do paladar). Para a categoria dos trabalhadores e professores, mais de 65% tiveram sintomas.

A situação do Espírito Santo pode ser generalizada para todo o país, na medida em que os governos vão autorizando a reabertura das escolas em meio à pandemia. É importante destacar que o inquérito escolar foi feito no momento em que a rede de ensino não tinha sido aberta completamente. Hoje, a situação deve estar muito pior, com as escolas sendo vetores de transmissão do vírus. O Estado do Espírito Santo registra 230.280 casos confirmados e 4.795 óbitos.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), tenta reabrir as escolas há meses, porém se defronta com a resistência dos estudantes, professores e pais de alunos. A Apeoesp realizou uma campanha contra a volta às aulas e mobilizou a categoria dos professores. Contudo, a volta às aulas está programada para 1º de fevereiro de 2021, mesmo que a situação da pandemia esteja fora de controle.

Dória tem atuado para manipular os dados e esconder a realidade da população. Há meses 0o governo mudou a metodologia de compilação dos dados, de forma a dificultar a interpretação do desenvolvimento da doença pelos cidadãos. No período prévio às eleições na cidade de São Paulo, o governo estadual ficou vários dias sem divulgar dados sobre a doença. Uma vez consumada a vitória de seu aliado Bruno Covas (PSDB), os dados voltaram a se divulgados e o governador anunciou medidas restritivas em todo o Estado. Diga-se de passagem, Dória dizia que a doença não estava se expandindo, mas foi forçado a reconhecer o aumento de 20% nas contaminações e aumento na taxa de internação em leitos de UTI.

O Estado de São Paulo, governado há mais de 30 anos pelo PSDB, é o mais atingido pela pandemia em todo o país e é o epicentro da doença na América do Sul. Os órgãos governamentais registram 1.388.043 casos confirmados e 45.136 óbitos. A crônica subnotificação dos casos e a sistemática manipulação dos dados estatísticos impedem uma análise precisa da situação, mas estima-se que seja muito maior e mais grave. As parcas estruturas para o atendimento à população já foram desmontadas, com a finalidade de passar a noção de que já se caminhava para a normalidade.

A rede pública de São Paulo é uma sucata. Em tempos de normalidade, faltam equipamentos básicos de higiene e materiais pedagógicos nas escolas. Há déficit de funcionários e os professores são afetados por duras condições de trabalho e salários baixíssimos. O governador tucano promete que as escolas terão os equipamentos de proteção individual assegurados para retomar as atividades, afirmação que nenhum professor, funcionário e estudante pode levar a sério.

A retomada das aulas em meio à pandemia é uma política que atende aos interesses dos grandes bancos e capitalistas, que querem a garantia de seus negócios e lucros. Contudo, trata-se de expor milhões de crianças, adolescentes, professores e funcionários ao risco de contaminação e morte. A política de Dória é a mesma de Jair Bolsonaro, que se sintetiza na frase “deixar morrer quem tiver que morrer”.

No Amazonas, Pará e Rio de Janeiro, a reabertura das escolas resultou no aumento das infecções. Os governos tiveram que recuar e fechar as escolas novamente. É preciso impedir que essa política genocida seja levada adiante pelos governos capitalistas, preocupados em garantir os lucros de uma ínfima parcela da população em detrimento da maioria.

É preciso mobilizar os estudantes e professores contra a retomada das aulas sem vacinação. Somente com a vacinação pode-se garantir segurança para o andamento das atividades pedagógicas. Os professores, funcionários da educação, pais e alunos não devem pagar com suas vidas pela campanha eleitoral presidencial de João Doria para 2022.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas