Reação
Manifestação reuniu mais de cem pessoas no centro da capital pernambucana e expressou a fortíssima tendência à mobilização
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
justiça para miguel
Ato contra o genocídio do povo negro e em memória do menino Miguel, 05/06/2020 | Foto: Diário Causa Operária

Na tarde de ontem (5), o centro de Recife voltou a viver sua tradição de atos de rua. A manifestação em memória do menino Miguel e contra o genocídio do povo negro, marcada para 13h, foi a primeira a reunir mais de uma centena de pessoas desde o início da pandemia de coronavírus.

O caso do menino Miguel alcançou repercussão nacional no dia 4 de junho e foi corretamente interpretado pelo movimento como mais um caso de racismo, um caso que conserva relações com o assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, e que engatilhou uma explosão social generalizada. Filho de uma empregada doméstica, Miguel morreu porque a patroa de sua mãe, que deveria estar observando o garoto, não viu quando ele entrou no elevador sozinho e acabou caindo do nono andar de um prédio.

O caso, em si, já causaria bastante comoção, visto que foi o filho de uma empregada doméstica que morreu tão somente porque ela estava sendo obrigada a trabalhar durante a pandemia. Mas há muito mais por trás dessa história. A patroa da mãe de Miguel é a esposa do atual prefeito de Tamandaré, cidade do litoral sul de Pernambuco, e mora em um dos edifícios que melhor simbolizam o luxo da burguesia pernambucana: as “torres gêmeas”, que serviram de inspiração para o filme “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho. Um prédio que já era alvo do ódio do povo pernambucano porque escancarava a desigualdade social da capital.

Além disso, a situação é especialmente comovente porque a situação das empregadas domésticas na pandemia de coronavírus é extremamente dramática. Não são poucos os casos em que as empregadas domésticas contraíram coronavírus por causa de seus patrões. E também não foram poucos os casos em que essas empregadas morreram por não ter plano de saúde, enquanto seus patrões permaneceram vivos. Cabe lembrar, inclusive, que esse não é um serviço essencial, mas as empregadas continuam em serviço porque o Estado não tem qualquer política para amparar esse setor da população: se não se submeter aos desmandos das madames, essas trabalhadoras morrerão de fome.

E foi exatamente por isso que o garoto Miguel morreu. A mãe, sendo obrigada a trabalhar, e também não tendo creche para deixar o filho, teve de levá-lo ao apartamento de sua patroa. No entanto, quando precisou sair para passear com o cachorro da família a qual servia, sua patroa ficou encarregada de cuidar de Miguel. Mas não cuidou: preferiu ficar pintando as unhas enquanto a criança morria por sua negligência. Como cantaram os manifestantes de ontem, “não foi acidente, foi crime”.

É por tudo isso que a morte do menino Miguel representa que o caso serviu para quebrar a paralisia total ao qual a esquerda pernambucana estava imersa. Ainda que timidamente, o movimento negro e alguns outros setores da esquerda decidiram convocar um ato de protesto contra a morte do menino Miguel. O ato, por sua vez, expressou toda essa revolta acumulada: verdade é que poucos ali conheciam Miguel ou seus familiares, mas todos sentiram que a morte do garoto era parte de algo muito maior: era o resultado da luta política em curso. O ato de ontem foi, portanto, não apenas um ato de protesto contra a morte trágica de um garoto, mas a expressão de uma tendência muito forte do povo sair às ruas contra a política assassina, racista, genocida e fascista da burguesia, que colocou no poder um representante da extrema-direita, o golpista Jair Bolsonaro.

Embora o ato tenha sido organizado e convocado pela esquerda, também contou com uma adesão de setores mais proletários quando este alcançou seu final: as “torres gêmeas”. Moradores de rua e jovens do centro do Recife aderiram ao ato e foi aí que a manifestação se tornou mais radical, expressando a tendência à radicalização que se viu nos atos em São Paulo e no Paraná. Esses setores compreenderam de maneira ainda mais clara a luta de classes e gritaram em bom som o que seria a “justiça para Miguel”: invadir o prédio e arrancar a assassina de de lá.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas