Genocídio à vista
A política fascista de Modi tem sido responsável pelo agravamento da crise de coronavírus na Índia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
1_Nalapat-PM-Modis-opponents
Narendra Modi, presidente de extrema-direita da Índia. | Foto: Reprodução.

Nesta segunda-feira (07), os casos de infecção por coronavírus na Índia cresceram exponencialmente, colocando o país como novo epicentro da doença e o terceiro país mais atingido pela pandemia de covid-19 no mundo.

O país já registra 697.358 casos, com cerca de 24 mil novas infecções em apenas 24 horas. Ademais, o número de óbitos contabilizados é de 19.693.

Depois das eleições de 26 de maio de 2014, foi eleito o atual presidente da Índia, Narendra Modi. Seu governo tem sido marcado por uma administração notavelmente neoliberal e, acima de tudo, fascista. A política de extrema-direita de Modi tem sido diretamente responsável por ceifar a vida de milhões de trabalhadores, principalmente com seus ataques às legislações trabalhistas do país. Durante a presente pandemia do coronavírus, tem se mostrado cada vez mais autoritária, basicamente acabando com todo e qualquer direito dos trabalhadores indianos.

No começo da crise, o governo indiano prontamente estabeleceu um dos “lockdowns” mais rígidos do mundo. Sua população, de cerca de 1,3 bilhão de habitantes, foi obrigada a ficar em casa sem nenhum tipo de auxílio por parte do poder estatal. Entretanto, em meados do maio, o país começou a relaxar as medidas de isolamento que havia imposto anteriormente, resultando nos números citados acima.

É o que temos visto ao redor de todo o mundo: a burguesia pressiona o estado a voltar a funcionar, uma vez que o isolamento seguro da classe trabalhadora representaria perdas gigantescas nos lucros das grandes empresas. No fim, a vida da classe operária não vale nada quando comparada ao dinheiro do empresariado. Entretanto, existe uma diferença na situação da Índia quando comparado aos demais países que têm praticado a reabertura do comércio.

A classe operária indiana tem sofrido uma série de avanços brutais por parte do governo de Modi. O país basicamente retornou à Idade Média no que diz respeito aos direitos dos trabalhadores. Em Uttar Pradesh, por exemplo, a legislação trabalhista  foi suspensa por três anos. Ademais, em outras cidades, a jornada de trabalho passou a ser de 12 horas por dia. Além disso, em Madhya Pradesh, as empresas estão isentas de pagar as férias de seus funcionários e de informar ao Ministério de Trabalho caso estes sofram acidentes.

À luz dessa situação, as centrais sindicais da Índia ameaçaram entrar em greve caso os governadores das cidades citadas não recuem em suas medidas autoritárias. Todavia, utilizando – mais uma vez – o pretexto da pandemia do coronavírus, o governo fascista de Modi proibiu qualquer tipo de manifestação política, reprimindo duramente aqueles que decidirem se manifestar.

No fim, Narendra Modi e seus governadores instituíram um verdadeiro estado fascista na Índia. Todos os direitos fundamentais da classe operária foram completamente obliterados, colocando a população em uma situação de verdadeira miséria, obrigando-os a trabalhar e morrer nas ruas em prol do lucro do empresariado nacional.

Além de tudo isso, a cereja no bolo humano feito por Modi foi o pacote de 20 trilhões de rúpias (266 bilhões de dólares) anunciado para “estimular a economia”. Mas já sabemos muito bem o que esse investimento representa: é apenas uma forma de encher os bolsos da burguesia e salvar suas empresas da inevitável falência, situação muito similar ao que tem ocorrido na Europa.

Finalmente, os trabalhadores da Índia só possuem duas opções: trabalhar incansáveis horas para garantir o enriquecimento da burguesia e morrer enquanto o fazem; ou se manifestar e pôr um fim à tirania imposta pelo Estado de Modi. Mais do que nunca, a classe trabalhadora precisa se unir e ir às ruas, e é dever dos sindicatos garantir que a mobilização tome uma forma verdadeiramente combativa. É a única saída para a crise que perpassa a sociedade indiana. A inércia tem um resultado certeiro: a morte de milhões de trabalhadores e o acirramento de um regime ditatorial por parte de Modi.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas