Repressão à vítima
Medida repressora que coloca a responsabilidade do monitoramento do agressor na vítima.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
botao_panico_787
Botão do Pânico, dispositivo de segurança para mulheres vítimas de violência doméstica. | Reprodução

O governador de São Paulo, o genocida João Doria (PSDB), anunciou investimento de R$ 67 milhões num sistema que pretende avisar as mulheres com medidas protetivas se o agressor está se aproximando além do limite definido pela Justiça. Uma medida não só absurda, por colocar a responsabilidade do monitoramento do agressor na vítima, como puramente demagógica, pois passa longe do real combate à violência e ao assassinato de mulheres.

A expectativa do governo paulista é de publicar o edital para a aquisição dos equipamentos eletrônicos ainda em janeiro. A Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo (SAP) informou que o investimento em 10 mil dispositivos eletrônicos “deverá ajudar a proteger as vidas” de 5.000 mulheres vítimas de abusos e agressões.

O sistema requer dois equipamentos para cada caso porque funciona rastreando a localização tanto do agressor como da mulher. A vítima terá que manter o equipamento carregado e terá que levá-lo sempre na bolsa. Ou seja, a vítima, sendo monitorada e perseguida está sendo tratada como uma criminosa. E se caso a mulher não esteja usando o equipamento e for violentada? De quem será a culpa?

Duas especialistas em combate à violência contra a mulher afirmam que a medida é importante, mas atinge a privacidade da vítima, podendo afetar sua liberdade, já que ela também será monitorada permanentemente. Como diz a delegada Raquel Kobashi Gallinati, primeira mulher a presidir o Sindpesp (Sindicato dos Delegados da Polícia Civil de São Paulo), a medida também coloca sobre a vítima a responsabilidade de andar sempre com seu dispositivo para se proteger.

“O monitoramento eletrônico, claro, é uma medida muito importante. Mas da forma como está sendo proposto coloca sobre a vítima a responsabilidade de andar sempre com seu dispositivo de localização para se proteger, o que além de invadir a privacidade dela, que passará a ser monitorada da mesma forma que o agressor, deixa a mulher desprotegida sempre que ela não estiver com seu aparelho.”

A promotora de Justiça do Ministério Público de São Paulo Celeste Leite dos Santos uma das idealizadoras do projeto Avarc (Acolhimento de Vítimas, Análise e Resolução de Conflito), afirma que é preciso ir além de medidas paliativas. “A iniciativa é um passo significativo no enfrentado ao grande número de feminicídios, mas o ônus pelo descumprimento da medida protetiva imposta deve ser do agressor e não da vítima. Os órgãos estatais deveriam agir ao serem alertados do descumprimento, e isso implica um maior aparelhamento das polícias civis e militares, que vêm sofrendo um processo de sucateamento”.

As duas representantes do poder judiciário paulista, apesar de entenderem a aberração da medida proposta, caracterizando-a como “populismo penal”, sugerem, para enfrentar a raiz do problema da violência contra a mulher, o aumento do aparato policial. Essa posição não seria o mesmo que a proposta de Doria? Aumentar as medidas de repressão? Só que agora a repressão se estende para as vítimas!

O aumento do poder punitivo e repressivo do Estado como forma de combater a violência contra a mulher é uma farsa. As medidas repressivas, que tem se ampliado no governo de Doria e Bolsonaro, apenas punem indivíduos, e não tem qualquer poder de alterar as causas que levam à violência. Para proteção das mulheres é preciso exigir meios de emancipação da mulher para libertá-las das situações de violência.

A Violência contra a mulher aumentou 30% em 2020, devido tanto a deterioração das condições de vida, pandemia, mas principalmente pelo avanço da direita golpista. Por isso, não há como separar a luta das mulheres da luta política. A luta pelo fim da violência contra as mulheres passa é a luta pelo fim da opressão do capitalismo contra as trabalhadoras.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas