O que quer Bolsonaro
A defesa do armamento deve ser colocada pela esquerda para que todo o povo esteja armado e não apenas a base bolsonarista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
DF - BOLSONARO-DECRETO-POSSE-ARMAS - POLÍTICA - O presidente Jair Bolsonaro assina decreto para flexibilização do posse de armas em cerimônia no Palácio do Planalto em Brasília (DF), nesta terça-feira (15). 15/01/2019 - Foto: FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: Fátima Meira | Bolsonaro abriu o jogo: "armamento é para fins políticos".

A declaração de Bolsonaro na reunião ministerial cujo vídeo foi divulgado pela Justiça: “Eu quero todo mundo armado! Que povo armado jamais será escravizado”, trouxe de volta o debate sobre o armamento da população.

Em coluna publicada no sítio Brasil 247, a jornalista Tereza Cruvinel denuncia a declaração de Bolsonaro em artigo do último dia 25 intitulado “Fascismo escancarado, cantemos a Bella Ciao!”. Para ela, estaria exposto o caráter fascista do governo, sua tese central é a seguinte: “Ditadores armam o povo até o momento em que conseguem impor sua ditadura. Depois, desarmam, já não precisam mais do povo, já terão controle total sobre o poder armado do Estado.”

Mas será mesmo esse a real interpretação que se deve ter sobre a declaração? Que está muito claro o caráter fascista do governo Bolsonaro, isso não há dúvida. Mas a defesa do armamento deve ser compreendida de outro modo.

Em primeiro lugar é preciso dizer que o povo armado não é uma caracaterística do fascismo. Quando diz “povo”, o fascismo – assim como Bolsonaro – está dizendo o “seu povo”, quer dizer, a extrema-direita, os elementos ligados aos órgãos de segurança, latifundiários, policiais e militares.

Um ditador, como diz Cruvinel, não se apoia no armamento do povo. Se todo o povo estiver armado uma ditadura é inclusive muito mais difícil de ser implantada, afinal, o monopólio da violência deixa de estar nas mãos do Estado burguês. Uma verdadeira ditadura, da burguesia sobre a maioria do povo.

Se Bolsonaro realmente armasse todo o povo e se houvesse uma guerra civil a direita perderia essa guerra civil. Faz parte do fascismo atacar a população desarmada, não o contrário. Por isso, está claro que Bolsonaro manda um recado para a sua base social, que em grande medida já está armada ou se armando e é esse fato específico que deve preocupar a esquerda e as organizações populares.

Pela primeira vez Bolsonaro deixa claro o caráter político de sua defesa do armamento. Deixou de lado a farsa da segurança e colocou claramente que o objetivo ao defender o amamento de sua base é político. É um apelo às organizações fascistas para que defendem o governo.

Bolsonaro obviamente não vai armar a classe operária e suas organizações, não vai armar os camponeses e o MST. Se o armamento fosse para todo o povo realmente, a esquerda seria vitoriosa, pois está mais organizada, mais mobilizada e em maioria. Não é isso que quer Bolsonaro.

A esquerda não deve denunciar a política do armamento em si. Pelo contrário, deve defender uma política independente, que defende o direito irrestrito do armamento de todo o povo e todas as organizações dos trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas