Executivo e Congresso unidos
Governo pretende promover suposta ajuda a estados e municípios com dinheiro roubado dos servidores públicos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro barbeiro
Presidente eleito pela fraude e pelo golpe | Foto: Reprodução

O presidente da República ilegítimo, Jair Bolsonaro, sancionou na última quarta-feira, com vetos, o Projeto de Lei Complementar 39/2020, agora convertido na Lei Complementar 173/2020.

O projeto sancionado garante uma “ajuda” por parte do governo federal aos estados e municípios da ordem de R$ 120,2 bilhões ainda em 2020 e, em contrapartida, a própria União, estados e municípios ficam impedidos de reajustar o salário do funcionalismo até 31 de dezembro de 2021.

Se para estados e municípios a Lei não significa mais do que um “abraço de urso”, para o servidores públicos implica numa expropriação da massa salarial sem precedentes em um valor estimado, pelo próprio governo, em torno de R$ 130,5 bilhões.

A operação de conjunto, assim como a que já foi imposta aos trabalhadores da iniciativa privada, entre elas a MP 936, que suspende contrato de trabalho ou permite a redução salarial em até 70% para os trabalhadores, é a conta que os banqueiros e os capitalistas estão fazendo para que os explorados arquem com a crise capitalista, aprofundada exponencialmente com a pandemia.

Não é necessário ser nenhum economista para verificar que o repasse para estados e municípios é menor, em termos absolutos, do que se pretende assaltando o bolso dos servidores, ou seja, R$ 120,2 bilhões contra R$130,5 bilhões. No final das contas, a União ainda terá um ganho de R$ 10,3 bilhões.

Mas a manobra do governo dos banqueiros e grandes capitalistas não param por aí. A suposta ajuda federal, vai mais ainda aprofundar a crise de estados e municípios. Primeiro, porque vai ser pago com dinheiro expropriado dos próprios trabalhadores estaduais e municipais (R$ 52,4 bilhões e R$ 46,5 bilhões, respectivamente). Ou seja, são valores que deixaram de circular, em grande medida, nas economias locais, o que será um fator ainda mais dinamizador das crises locais. Segundo, porque de dinheiro efetivamente novo, estados e municípios receberão R$ 60 bilhões, aproximadamente 60% do que será tirado dos trabalhadores. O restante, não é difícil imaginar, irá alimentar a usura dos banqueiros.

Isso é apenas uma parte. Os outros cerca de R$ 60 bilhões não é dinheiro novo, mas corresponde a dívidas de estados e municípios que terão os pagamentos suspensos até dezembro de 2020, sendo que os juros que correspondem ao período de não pagamento serão cobrados a partir de janeiro 2022.

No final das contas, a União é a única beneficiada. As dívidas com juros serão apenas prorrogadas, os reajustes que deveriam ser repassados aos servidores municipais e estaduais serão usados para pagar a dívidas dessas unidades com a própria União e, ainda, apropria-se de R$ 31,6 bilhões que deveriam ser repassados aos servidores federais em forma de reajustes.

Tamanho roubo patrocinado pelo governo golpista só pode ser levado à frente diante da profunda identidade de interesses entre os diversos governos e o poder legislativo, em sua esmagadora maioria meros funcionários dos capitalistas e dos banqueiros. Assim como foi feito com os trabalhadores das empresas privadas, agora está sendo feito com os servidores públicos.

A facilidade com que os poderes públicos atacam os trabalhadores está diretamente vinculada à paralisia que imobiliza a quase totalidade das direções sindicais e, como decorrência, na “fé cega” que alimentam em reverter a política antipovo dos golpistas através da pressão parlamentar. Nunca é demais lembrar que Bolsonaro vetou o que os parlamentares de esquerda e sindicalistas consideravam como uma “grande vitória”, que era a exclusão de certos segmentos do funcionalismo da política de congelamento salarial.

Se não há dúvidas de que todos esses recursos irão, no final das contas, alimentar o capital parasitário é, ainda muito mais certo, de que muitas outras medidas serão implementadas, caso não haja uma efetiva mudança de rumo dos sindicatos e das organizações que se reivindicam dos trabalhadores, a começar pela mobilização popular para varrer o governo Bolsonaro e todos os golpistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas