Contra despejos, mobilização!
As organizações de esquerda devem apoiar, de maneira vigorosa e concreta, a luta contra os despejos, que deve contar com ampla mobilização popular
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
despejo-zero
Campanha DESPEJO ZERO: pela vida no campo e na cidade! | Foto: Felipe Peres

Organizações de esquerda ligadas aos movimentos populares, de luta pela terra e por moradias lançaram no último 23 de julho a campanha “Despejo Zero – Em defesa da vida, no campo e na cidade”. A iniciativa busca suspender os mandados de reintegração de posse, que continuam sendo executados pelo poder judiciário no País e que entre abril e junho, desabrigaram pelo menos 1.300 famílias somente na Região Metropolitana de São Paulo. O dado é um levantamento realizado por uma das entidades participantes da campanha, o LabCidade. Este número não considera as vítimas de despejos em imóveis alugados, o que também constitui um drama enorme vivido por milhares de famílias da classe trabalhadora (Reportagem: “SP mantém remoções e vê nascer favela com ‘desabrigados da quarentena’” – FOLHA DE S. PAULO, 11/7).

A iniciativa é mais do que bem vinda, dado a gravidade da situação, porém há que se debater o método de ação. Segundo a nota divulgada no sítio da campanha (disponível na página Habitat Brasil), o método destacado é o de “pressionar o poder público (gestores, parlamento e judiciário)”, uma forma de luta que fatalmente levará à derrota do movimento, pelo fato de não ter uma fração do peso político que a campanha pode ganhar caso busque a mobilização popular para enfrentar os despejos.

Importante lembrar que lei similar, prevendo a proibição de despejos por atraso em pagamento de aluguéis durante o período de calamidade pública (por enquanto, até outubro) já foi alvo de pressão contra o poder público, tendo sofrido veto presidencial ao chegar a Bolsonaro, e sido esquecida posteriormente. E absolutamente nada indica qualquer disposição em mudar a política vigente, seja pela parte de Bolsonaro, seja pelo Centrão, que tem um virtual monopólio do Congresso. Como o próprio sítio da campanha lembra, o regime golpista “retirou mais de R$ 20 bilhões só do SUS de 2016 até hoje.” Isto é o que se pode esperar do Estado nacional, especialmente neste contexto de ditadura burguesa explícita pelo golpe de 16.

A conjuntura política torna a mobilização popular o único método de luta viável neste momento. A viabilidade é facilmente percebida quando vemos o recuo do bolsonarismo imposto pelas manifestações de rua iniciadas em meados de maio. E neste aspecto, é preciso que as organizações mais destacadas da esquerda, especialmente os partidos, saiam da inércia em que se encontram atualmente e apoiem a luta contra os despejos de maneira real, convocando suas respectivas militâncias para lutar, por meio da construção da mais ampla mobilização que o tema merece.

Se em condições normais as reintegrações de posse e os despejos já constituem um ataque violento da burguesia contra os trabalhadores, em uma situação de crise sanitária proporcionada pelo COVID-19, é algo simplesmente criminoso, digno de submeter juízes, proprietários e toda a cadeia de operadores a julgamento. Há que se construir um regime de forças que torne isto viável e ponha um fim ao suplício que aflige milhares de trabalhadores em todo o território nacional.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas