Mobilizar pelo Fora Bolsonaro
É preciso derrotar a tentativa da burguesia de acabar com o movimento pelo Fora Bolsonaro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fora bolsonaro 2
Faixa pelo Fora Bolsonaro | Foto: Diário Causa Operária

Em 2015 e em 2016, aconteceram, no Brasil, uma série de manifestações extremamente bizarras que pediam a derrubada da presidenta Dilma Rousseff. Os atos, falsificados de todas as maneiras possíveis, não foram o motivo pelo qual a presidenta foi derrubada; contudo, desempenharam um papel decisivo para que a burguesia desse uma aparência de legitimidade ao golpe de 2016. Um dos aspectos que mais chamaram a atenção desses atos — que viriam a ser apelidados de “coxinhatos” — era que a cor amarela era, de longe, a mais presente nas manifestações. Seja pelo “pato da FIESP”, sejam pelas camisas da seleção brasileira, o amarelo se impunha.

O amarelo dizia bastante a respeito dos atos. Afinal, amarelo nunca foi a cor do povo, nunca foi cor de nenhuma organização importante dos trabalhadores. Muito pelo contrário, essa é a cor que partidos da direita, como o PSDB, usam abusivamente. Os parlamentares golpistas, que se encarregaram de derrubar Dilma Rousseff no Congresso Nacional, apareciam constantemente abraçados às bandeiras verde e amarelas. Dizendo-se patriotas, acabaram com o País, que hoje tem até a sua água privatizada.

Esses “coxinhatos”, que ficaram marcados como manifestações financiadas pelos patrões, impulsionadas pela imprensa golpista e frequentados apenas pelos elementos mais fascistas da pequena burguesia, são um símbolo dos inimigos dos trabalhadores. Na medida em que começaram a se mobilizar contra o golpe de Estado, os trabalhadores passaram a desenvolver um verdadeiro ódio a esse tipo de manifestação.

Cerca de cinco anos depois dos “coxinhatos”, a burguesia tenta pôr em prática, novamente, a sua operação. No entanto, como as manifestações da extrema-direita já ficaram bastante reconhecidas como tais, a direita está tentando infiltrar suas cores, suas pautas e suas bandeiras nas manifestações da esquerda. Hoje, não são os bolsonaristas de verde e amarelo que estão sendo impulsionados pela imprensa burguesa — embora a qualquer momento, quando os capitalistas acharem que devam, isso possa mudar. A direita está fazendo uma campanha explícita, como visto na Folha de S.Paulo e nas declarações de Felipe Neto, para que a esquerda, que está saindo às ruas pelo Fora Bolsonaro, substitua o vermelho pelo amarelo em suas bandeiras.

O objetivo é bastante óbvio: acabar com o caráter combativo que se viu nas manifestações, sobretudo nas que as torcidas organizadas estiveram presentes. O que a burguesia quer é expulsar os partidos e organizações de luta dos trabalhadores para infiltrar os elementos mais oportunistas e direitistas possíveis. É preciso, portanto, frear essa operação. É preciso que a CUT, a ala esquerda do PT e todas as organizações do povo convoquem sua militância para participar massivamente dos atos de rua pelo Fora Bolsonaro. E que levem, é claro, as suas bandeiras vermelhas.

É preciso mobilizar contra a tentativa de divisão e esvaziamento dos atos, convocar os trabalhadores e a juventude para que ele se tornem verdadeiros atos de massa.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas