Mobilizar já
Ao contrário do que acredita um setor da esquerda, a única forma de barrar o retorno às aulas presenciais é através de uma ampla mobilização de estudantes e professores nas ruas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ato AJR RJ
Foto do ato contra a volta às aulas organizado no Rio. | Diário Causa Operária

Uma matéria publicada no sítio do jornal Extra, do grupo Globo, trás uma notícia da maior importância para os profissionais da educação, estudantes e seus familiares do Rio de Janeiro. De acordo com a matéria, o atual governador em exercício do estado do Rio, Cláudio Castro (PSC), suspendeu o retorno presencial às salas de aula que estava previsto para o próximo dia 5 de outubro.

Este importante recuo aconteceu nesta quinta-feira, dia 24 de setembro, justamente um dia após a realização do ato organizado por camaradas do PCO, dos Comitês de luta contra o golpe, da FIST e de outras organizações. Este ato juntou um pouco mais de uma centena de pessoas e certamente assustou a direita. Afinal, o mesmo foi realizado sem a participação e a convocação dos sindicatos dos professores do estado, como o SEPE e o Sinpro, e organizações estudantis como a UEE e a AERJ. Na medida que a volta às aulas presenciais se concretize essas organizações e principalmente as suas bases certamente entrarão em movimento, e atos como este tendem a influenciar a tendência e a disposição de luta das novas mobilizações. 

Cretinismo parlamentar

Curiosamente, a matéria do Extra apresenta a versão açucarada de que o recuo teria se dado por conta de uma reivindicação do deputado estadual Flávio Serafini, do PSOL. Sendo um partido marxista, o PCO acredita no exato oposto: apenas a mobilização popular real é capaz de influenciar a realidade. No entanto, não é preciso ser um marxista para constatar que os discursos, cartazes e performances dos parlamentares não têm sido capazes de barrar nem ao menos um milímetro do avanço sistemático da direita golpista e a sua ofensiva contra os trabalhadores. Quem não se lembra do folclórico malabarismo com laranjas, que até hoje não rendeu absolutamente nada?

O retorno às salas de aula não se trata de uma brincadeira, vai implicar na explosão da contaminação do COVID-19 em estudantes, profissionais e suas famílias e consequentemente, em um genocídio da população, principalmente os mais pobres. É preciso fazer uma ampla campanha com professores e estudantes, enfim, com toda a comunidade escolar, para barrar não apenas a volta às aulas presencialmente mas também a EAD. Neste sentido precisamos acabar com as ilusões e afirmar claramente desde já que assembleias e reuniões virtuais serão mais do que insuficientes. É preciso reagir nas ruas, organizando os profissionais da educação mas principalmente os estudantes: volta às salas de aula só com a vacina e contra a EAD!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas