Os poodles estão tosados
Donald Trump merece uma estátua de bronze em frente à Casa Branca em sua homenagem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
RENATO-ROVAI-780x440 (1)
Trump jogou lenha na fogueira e revelou quem é a esquerda pequeno-burguesa, como Rovai e a Fórum | Foto: Reprodução

Espetacular, Donald Trump. Simplesmente fenomenal! O aplaudo de pé. Além de ter escancarado a natureza e o funcionamento do regime imperialista, ainda teve a capacidade de revelar o verdadeiro caráter da esquerda pequeno-burguesa.

Como demonstrado na coluna anterior, a crise na qual o capitalismo está mergulhado acentuou as contradições do sistema imperialista. Uma dessas consequências foi o surgimento de Donald Trump e de um movimento de características fascistas a nível mundial, promovido pela própria política imperialista. Mas esse movimento, do qual Trump é expressão, está, neste momento, em contradição com os seus criadores. A burguesia imperialista avalia que não é o momento de utilizar a cartada do fascismo, uma experiência que se mostrou de extremo risco para o sistema.

Por isso, o descarta, por ora. E para tal utiliza-se de uma intensa demagogia “democrática”, a fim de mobilizar a chamada “opinião pública” a seu favor e impor uma política estabilizadora do regime, colocando em prática ataques ainda mais ferozes contra o povo mas com uma aparência menos horrenda do que o fascismo. A batalha agora seria entre a democracia e o fascismo, a civilização e a barbárie.

Para afastar a extrema-direita bárbara do poder, ela utiliza-se de métodos repressivos e moralistas, a fim de mobilizar uma parcela da classe social propícia a cair nessa armadilha: a pequena burguesia. Embora o proletariado seja uma classe muito mais numerosa e poderosa, ele não pode ser a base de apoio da burguesia porque esses métodos empregados por ela não funcionam com ele, por ser uma classe materialista e com muito mais independência do que a classe média, que não tem independência nenhuma.

Assim, os métodos atuais utilizados pela burguesia imperialista para fisgar a pequena burguesia de esquerda, pseudoliberal, têm sido levados a cabo por uma propaganda intensa a partir de princípios morais que resultem na repressão de seus adversários políticos.

Acusa-se a extrema-direita trumpista, nos EUA, de divulgar “fake news” para manipular a opinião pública. De disseminar o ódio contra setores oprimidos da sociedade. Mas a propaganda diz que esse ódio é contra setores sociais cuja elite é uma pequena burguesia que controla seu movimento a mando da burguesia, como é explicitamente o caso dos diversos movimentos identitários. Nunca se vê nas acusações contra o “discurso do ódio” uma menção à classe operária, mas sim aos LGBTs, mulheres, negros etc, cujos movimentos sociais – devido à desorganização de suas bases, provocada pela própria natureza de sua opressão – são dominados por uma camada superior de classe média, que diz representar seus interesses.

As “fake news” e o “discurso de ódio” de Trump deveriam, portanto, ser punidos rigorosamente com a censura, multa e até prisão para seus disseminadores. A pequena burguesia de esquerda que, como a de direita, é movida pelo medo e pela histeria, também é propensa a recorrer ao Estado para que este a socorra, devido à sua dependência da burguesia. Em resumo: Trump está oprimindo a classe média de esquerda e o Estado precisa salvá-la.

Como resultado, Trump foi censurado e bloqueado das redes sociais pelos grandes monopólios imperialistas da tecnologia. A esquerda pequeno-burguesa aplaudiu e louvou a ação daqueles que constituem o imperialismo. Afinal, a mentira e o ódio são coisas profanas, que maculam a sacralidade da moral pequeno-burguesa de esquerda.

Contraditoriamente, essa mesma esquerda, apesar de todas as acusações contra a extrema-direita, também utiliza esses mesmos métodos. Finalmente, são métodos intrínsecos à fase de decadência de sua classe social, que se afunda junto com a burguesia. Como seus princípios são morais, baseados em uma luta religiosa entre o bem e o mal, e como não é uma classe que, em geral, a priori e concretamente, defende a igualdade social, para a pequena burguesia é legítimo que um direito valha para um e não para outros, assim como os deveres.

Logo, essa pequena burguesia de esquerda defende que, enquanto a extrema-direita não deve ter o direito à livre opinião, ela (a esquerda pequeno-burguesa) deve ter. E deve ter também o direito de mentir, embora ninguém mais deva tê-lo (somente a burguesia, é claro, da qual ela é serva).

Assim, constatamos o fato de que um veículo de comunicação da esquerda pequeno-burguesa, como a Revista Fórum, defende a censura a Donald Trump por este disseminar “fake news”. E quem é contra tamanha arbitrariedade seria, necessariamente, a favor de Trump. Mas a revista, ao contrário do que seria a natureza de uma publicação jornalística, não expressa essa sua opinião através de argumentos, e sim de mentiras, falsificações, enfim, justamente de… “fake news”!

Foi exatamente isso o que fez o editor da revista, Renato Rovai. Demonstrando uma colossal incapacidade de interpretação de texto, o ex-professor de Jornalismo (coitados dos que foram seus alunos!) deturpou de modo grotesco minha coluna anterior. Histericamente, como é típico da pequena burguesia, acusou o PCO de defender Donald Trump, de não considerá-lo um fascista e de vê-lo como um pacifista. Tal “análise estreita e criminosa”, segundo nosso crítico, é “deletéria para a esquerda”, afasta a esquerda dos valores humanistas.

Confesso que esse fato me pegou de surpresa. Estava preparando um outro artigo, para polemizar com posições de outros elementos da esquerda, as quais levamos mais a sério. Infelizmente, no meio do caminho tive o azar de pisar na merda e agora tenho de limpá-la da sola do meu sapato. Mas vamos lá…

Em primeiro lugar, é realmente espantosa a deficiência cognitiva de Rovai. Publicamos um artigo cujo conteúdo deixa claro que seu título – “Obrigado, Trump” – é uma provocação, ironizando o fato de o ex-presidente dos EUA ter contribuído significativamente para a crise política do regime imperialista, abrindo a Caixa de Pandora e abalando ainda mais a dominação da burguesia, acentuando suas contradições internas. Em português claro: jogando lenha na fogueira!

Mas o analfabetismo funcional impede Rovai de fazer uma resenha de nosso artigo. Meu lado franciscano me força a ser piedoso e ter compaixão e compreensão a respeito dessa esquerda, que nunca teve senso de humor e muito menos entende uma ironia. Mas não posso acreditar que, mesmo sendo um analfabeto – funcional ou político, ou os dois -, o comentarista nos ataque por incompreensão de nossa posição.

Há segundas intenções. Um indivíduo, quando já está mal-intencionado, ignora propositalmente a posição do adversário para deformá-la e falsificá-la para seus próprios objetivos. A imprensa burguesa, por exemplo, é desonesta materialmente, recebe dinheiro da burguesia para mentir e caluniar seus oponentes. Creio que Rovai não se rebaixe a esse nível, mas sua desonestidade é, ao menos, intelectual – única característica que pode nos indicar que ele realmente tem um intelecto!

Rovai diz que afirmamos que Trump é um pacifista. O que está escrito com todas as palavras no artigo é que Trump é um pacifista em comparação com seus antecessores. É a mesma coisa que dizermos que uma pessoa de 1,70m de altura é alta em relação a uma pessoa de 1,55m, o que não significa que a pessoa de 1,70 seja alta em absoluto. Caso Rovai ainda não tenha entendido o que queremos dizer com isso, posso pedir para a Aurora, “militante” mirim do PCO de apenas 6 anos, que está aprendendo a desenhar com giz de cera, fazer um desenho e então envio à redação da Fórum

Nosso interlocutor também afirma que não consideramos Trump um fascista. Mas também explicamos com todas as letras que ele é, sim, um fascista. Depois que a Aurora fizer o desenho, vou pedir a ela que leia o texto. Não me espantarei se ela entender melhor que Rovai. O que o PCO considera, no entanto, é que, justamente por não pertencer à ala mais poderosa do imperialismo, Trump não tem condições de implementar a política do imperialismo. Por isso foi derrubado e está sendo perseguido, a fim de que o “democrata” Biden, amado por Rovai, possa escravizar os povos do mundo todo – ele sim, tendo o apoio total do imperialismo.

Trata-se de um posicionamento político de Renato Rovai. Posicionamento, esse, que é o mesmo da esmagadora maioria da esquerda pequeno-burguesa. E que está sendo revelado graças à crise política nos EUA, da qual (mais uma vez!), Trump é a principal expressão. Por isso Trump merece uma salva de palmas. Não apenas desnudou o imperialismo, não apenas desnudou o carniceiro Joe Biden, mas também desnudou a esquerda pequeno-burguesa.

No caso desta, não é bem desnudar. Se a classe média de extrema-direita é o rottweiler, a classe média de esquerda é o poodle da burguesia. Late, late… Pensa que é grande coisa, mas não assusta ninguém. E não passa de um animal domesticado.

O desespero de Rovai é devido ao fato de que ele pertence a setores que discordam das posições do PCO e que, no entanto, não conseguem rebatê-las com argumentos, através de um debate de ideias. Rovai, assim como toda essa esquerda pequeno-burguesa, apêndice da burguesia imperialista, esforça-se para ajudá-la a estabilizar o regime de dominação contra os oprimidos, agora por meio da presidência de Joe Biden nos EUA. Por isso ele é propagado como a antítese de Trump, como um democrata, um civilizado, um progressista, um humanista. Segundo Rovai, Biden é muito melhor do que Trump, um neoliberal é melhor do que um fascista. Pois um neoliberal privatiza e a privatização pode ser revertida, mas um fascista mata e a morte não pode ser revertida. Perguntemos aos iugoslavos, iraquianos, afegãos, líbios e sírios o que eles acham disso – muitos não poderão dar sua opinião, pois foram assassinados pelo “humanismo” de Biden, um dos principais responsáveis pela destruição desses países. O mesmo raciocínio é utilizado para comparar João Doria a Jair Bolsonaro. Logo Doria, cuja Polícia Militar matou duas pessoas por dia em 2020 e foi responsável pelo massacre de Paraisópolis em 2019. Logo Doria, o cientista, que deixou 50 mil pessoas morrerem de coronavírus em São Paulo, representando ¼ das mortes em todo o País.

Mas é o posicionamento do PCO que desvirtuaria os valores humanistas da esquerda! Nosso gênio da interpretação de textos talvez entenda humanismo como o apoio a genocidas como Biden e Doria, o apoio à censura, à prisão!

Todo esse espetáculo de imbecilidade promovido por nosso crítico, demonstrativo de profunda ignorância a respeito da realidade internacional e da história mundial recente, é movido pela necessidade de combater uma política independente dos trabalhadores e da esquerda. Afinal, a esquerda pequeno-burguesa está envolvida em uma campanha de sabotagem ao movimento operário e popular, uma campanha para permanecer a reboque da burguesia através da frente ampla, uma unidade nacional que permita à burguesia imperialista substituir Bolsonaro por alguém de sua total confiança, como o próprio João Doria. Esse é o plano de fundo dos ataques ao PCO, que não são ataques argumentativos mas sim caluniosos e intimidatórios. Foi pelo mesmo motivo que o capanga de Guilherme Boulos, Danilo Pássaro, tentou agredir os militantes do Partido. É pelo mesmo motivo que o próprio Boulos e seus satélites têm caluniado e mentido a respeito do Partido. É uma esquerda desonesta e intimidatória que prega que não se pode fazer críticas, mas que mente, difama, calunia e ameaça. Todos esses são métodos da extrema-direita, a qual ela jura estar combatendo!

À medida em que a crise capitalista se aprofunda, a esquerda pequeno-burguesa desloca-se ainda mais para a direita, aprofundando sua integração ao regime político burguês. Ela é utilizada como capataz da burguesia imperialista para garantir a sua dominação, a fim de conquistar o apoio da classe média histérica e de uma parte mais atrasada da classe operária que é influenciada por ela.

Os debates e polêmicas em torno do caso Trump deixaram isso bem claro. Portanto não me canso de agradecê-lo, com um sorriso no rosto. 

Por último, esse caso revela também o nível intelectual da esquerda pequeno-burguesa, a qual estamos combatendo. Um nível intelectual ridiculamente ínfimo, que lhe tira as condições até mesmo de interpretar um texto. Mas, piedosamente, não a culpo. Rovai não tem culpa de pertencer a uma classe medíocre, de pensamento medíocre e de atuação medíocre. Uma classe fadada ao fracasso e a afundar junto com a burguesia em sua crise terminal, caso insista em acompanhá-la, puxada pela coleira.

Obrigado, Trump. Nunca nenhum presidente dos EUA foi capaz de fazer a esquerda pequeno-burguesa tirar a roupa do jeito que está fazendo atualmente. Os poodles apareceram tosados.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje
Send this to a friend