Menu da Rede

Conferência aprovou luta contra reformas e por Lula presidente

  • Capa
  • Sem terra
  • Milícia bolsonarista invade e metralha assentamento do MST

Milícia bolsonarista invade e metralha assentamento do MST

Receba o DCO no Email

Na manhã do último domingo, centenas de trabalhadores sem terra do Assentamento Fábio Henrique foram atacadas por vinte pistoleiros fortemente armados contratados por latifundiários e políticos da extrema direita local.

As famílias de trabalhadores sem terra estavam realizando uma assembleia para responder às agressões a uma família de assentados durante a semana anterior realizada por um ex assentado que se vendeu a políticos bolsonarista locais para atacar os assentamentos e o MST.

Enquanto realizam a assembleia, os sem terra foram surpreendidos com veículos que carregavam 20 pistoleiros e esse elemento bolsonarista chamado Liva, que coordena as agressões contra as famílias sem terra. Os pistoleiros chegaram atirando em direção a assembleia e chegaram a agredir e prender trabalhadores para causar um clima de terror e tentar diminuir a resistência dos trabalhadores a política de destruição dos assentamentos do governo Bolsonaro.

Os pistoleiros deram centenas de tiros e o terror e a tortura duraram aproximadamente 30 minutos, quando os assassinos atiraram contra os veículos e atearam fogo em dois ônibus que estava estacionados no local com os pertences dos assentados. Durante a ação, agrediram os trabalhadores e perguntavam se conheciam lideranças do Assentamento e do MST e onde se localizam para perseguir. Eram armas apontadas contra a cabeça e na boca das pessoas que estavam em assembleia.

O assentamento Fábio Henrique está localizado no município de Prado, no extremo sul da Bahia, município em que recentemente o governo Bolsonaro com apoio da empresa Suzano celulose e papel, e o secretários de assuntos fundiárias do Ministerio da Agricultura, o pistoleiro e latifundiário Antonio Nabhan Garcia, usaram a Força Nacional de segurança pública para impor a política de privatização e destruição dos assentamentos para as famílias de sem terra da região.

Esse ataque no momento de uma grande assembleia de trabalhadores sem terra mostrou que os bolsonaristas e latifundiários da região querem atacar a organização dos assentamentos e acampamentos para enfraquecer a luta pela terra e a luta contra o governo Bolsonaro. Querem colocar um clima de terror para que as famílias não participem das assembleias com medo de represálias dos pistoleiros e sejam ameaçadas e até mortas pela pistolagem. É uma ação com clara intenção de afastar os trabalhadores dos espaços de organização da luta.

A formação de milícias fascistas no campo

O ocorrido mostrou como a extrema direita está organizando suas milícias fascistas. Se utilizaram de elementos capachos do latifúndio para liderar um grupo de pistoleiros fortemente armados e bem equipados, de muitas vezes com apoio da Polícia. Os veículos, as armas e o pagamento dos pistoleiros foram obtido através de políticos e latifundiaos da região que estão organizados e se reúnem no município vizinho, Teixeira de Freitas, no chamado Casarão Brasil. Neste local, a extrema direita organiza suas atividades fascistas, incluindo a atuação de suas milícias no campo para atuar contra os trabalhadores sem terra, indígenas e quilombolas que lutam pela reforma agrária na região.

O Casarão Brasil é um centro de operações fascistas em defesa do latifúndio e da grilagem de terras no Extremo sul da Bahia.

Uma verdadeira ditadura para impor a destruição dos assentamentos do governo Bolsonaro

Esses ataques da extrema direita ocorrem porque há um enorme repúdio dos trabalhadores a política de destruição dos assentamentos. Nem comprando pessoas que estavam dentro dos assentamentos, como o bolsonarista Liva, Bolsonaro não conseguiu enganar as famílias e sequer consegue visitar os assentamentos da região. Em tentativa de visitar a região e os assentamentos foi um enorme fracasso e passou rapidamente pelo município de Teixeira de Freitas.

A tentativa do governo em destruir os assentamentos através a privatização é um tremendo fiasco e para realizar essa política é necessário impor uma ditadura contra os trabalhadores sem terra através da perseguição de suas lideranças e organização, além de muita violência através da pistolagem.

O governo Bolsonaro está fortalecendo o latifúndio e incentivando o armamento desse setor. Para reverter esse quadro é preciso organizar os trabalhadores em comitês de autodefesa em cada assentamento, aldeia ou vila, e unificá-los em um grande movimento nacional para enfrentar os pistoleiros e a extrema direita, deslocando militantes, treinando e combatendo nas ruas a violência da extrema direita.

Os recentes ataques realizados por pistoleiros ocorrem após uma série de medidas instituicionais do governo Bolsonaro. A primeira tentativa foi de tentar utilizar o INCRA e servidores bolsonaristas selecionados para perseguir e expulsar lideranças dos assentamentos através de medidas “técnicas” e colocando em seu lugar pessoas de confiança e que não tem nenhuma relação com os assentamentos.

Como essa ação foi repudiada, a direita mobilizou efetivo policial e da força nacional para atacar os assentamentos de Prado e Mucuri. Isso ocorreu após figuras ligadas a extrema direita da região realizarem ações criminosas como incendiar casas, agredir trabalhadores sem terra e ameaças de morte, colocando a culpa no MST e outras lideranças dos assentamentos. A Polícia Federal e a Força Nacional não conseguiram seus objetivos nem mesmo com a ajuda da justiça que emitiu a reintegração de posse contra dezenas de famílias assentadas.

Agora, a extrema direita está utilizando os métodos fascistas para atacar os trabalhadores. Querem impor o clima de terror contra os assentados e acampados para que as famílias abandonem o assentamento ou não se oponha a política de privatização e destruição dos assentamentos, favorecendo os latifundiários e políticos ligados a Bolsonaro.

É preciso denunciar e reagir da mesma maneira contra os latifundiários e suas organizações fascistas que ainda se encontram dentro dos assentamentos da região e se reunem na organização fascista chamada Casarão Brasil.

Veja as matérias relacionadas a esses recentes ataques e os envolvidos:

Vídeo e fotos do ataque que ocorreu neste domingo contra o Assentamento Fábio Santos:

Veja vídeo do ataque dos pistoleiros contra assentamento do MST

Envolvimento de empresas e políticos para grilagem de terras de assentamentos e a fraude da licitação:

https://www.causaoperaria.org.br/rede/dco/moradia-e-terra/ba-vereadores-de-prado-contratam-pistoleiros-para-atacar-assentamento/

Ataques da Força Nacional contra os assentamentos da região:

https://www.causaoperaria.org.br/rede/dco/moradia-e-terra/sem-terra/bolsonaro-manda-forca-nacional-contra-o-mst-fora-bolsonaro/

Utilização do INCRA para atacar o MST na região:

https://www.causaoperaria.org.br/rede/dco/moradia-e-terra/sem-terra/incra-bolsonarista-ataca-mst-no-extremo-sul-da-bahia/

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores

DCO

O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Outros

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.