Terrorismo de Estado
O extermínio da esquerda como política de Estado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
24nov2019---em-bogota-o-presidente-da-colombia-ivan-duque-concede-entrevista-apos-encontro-com-prefeitos-1574735114575_v2_1920x1262
Ivan Duque "marionete dos EUA" | Foto: Juan Barreto/AFP

Durante o último fim de semana, quatro líderes sociais foram assassinados na Colômbia. A política genocida e atroz contra a esquerda colombiana tem assumido características cada vez mais fascistas sob a tutela do servil fantoche do imperialismo norte-americano. Desde que assumiu o cargo em agosto de 2018, Iván Duque tem coordenado a missão de extermínio dos ex-combatentes das Forças Armadas Revolucionárias desmobilizadas da Colômbia – Exército Popular (FARC-EP).

Um total de 214 ex-combatentes já foram assassinados; sem contar os 721 líderes populares. A sistematização dessa política de características fascistas é o meio pelo qual o governo de extrema-direita de Ivan Duque Correia encontrou para dizimar qualquer foco de oposição ao regime. O capachismo de Duque, no que lhe concerne, tem servido como correia de transmissão do imperialismo na América do Sul. As FARC-EP, agora institucionalizada, fez um apelo ao governo fascista de Ivan Duque exigindo o fim do extermínio.

“Já existem 214 camaradas mortos desde a assinatura do acordo de paz. Precisamos de eventos reais do Estado colombiano para interromper o extermínio”, declarou as FARC-EP..

Essa situação, porém, evidencia a sinuca de bico em que se encontram as FARC-EP. O resultado da sua institucionalização não poderia ser mais negativo, e limitação em que se encontram os levam constantemente a depositarem créditos numa possível intervenção por parte do governo que os acossam. Nesse sentido, o acordo de paz assinado em 24 de novembro de 2016 entre o governo do então presidente Juan Manuel Santos e as FARC, foi um tremendo golpe contra a organização de esquerda. Objetivando a formação de um partido, a Força Alternativa Revolucionária Comum, as FARC-EP desmobilizaram-se ficando completamente entregues aos ataques e à política traiçoeira da direita colombiana. O fato é que, capitaneado por Iván Duque “marionete dos EUA”, o terrorismo de Estado constitui-se como uma política consciente, alavancada pelo abandono da luta através da mobilização em detrimento da luta institucional no parlamento, por parte da esquerda.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas