Política imperialista
Nacionalismo russo sofre assédio constante do imperialismo, que volta agora sua campanha contra o país na forma de ataques à vacina contra o covid-19
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
trump putin mueller call
Autodeterminação russa abala o imperialismo | Foto: Mueller Call

A campanha do imperialismo contra a Rússia ganhou novo capítulo com o anúncio do governo russo referente ao registro da vacina desenvolvida contra o Covid-19. Por toda a parte, é perceptível o esforço da burguesia das nações avançadas em desacreditar o medicamento russo, ao mesmo tempo em que diversas pressões ocorrem no sentido de marginalizar ao máximo a descoberta russa, como parece ser o caso verificado no recuo do governo do Paraná. Uma dúvida que a situação causa é por que tais críticas não são feitas quando as “descobertas” vêm dos países imperialistas e de seus órgãos (como a OMS) mas a Rússia sempre sofre desse tipo de desconfiança?

Que fique claro, não é objetivo deste artigo fazer qualquer tipo de juízo sobre o valor medicinal da vacina. A questão fundamental é política. O que leva, por exemplo, o governo federal a prontamente descartar a vacina russa (que afinal, já está produzida), preterindo-a em favor de um medicamento que ainda se encontra em fase de testes, com possibilidade de produção para junho do ano que vem?

Em grande medida, a atitude do governo brasileiro ajuda a esclarecer a questão. Demonstrando uma indiferença criminosa quanto descontrole da pandemia no País e às mortes por ela provocadas, ninguém em sã consciência pode acreditar piamente que o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, está preocupado com qualquer coisa que não sejam os interesses dos grandes capitalistas das nações desenvolvidas. E não é de hoje que estes mesmos capitalistas apresentam acusações contra a Rússia das mais variadas espécies, sempre valendo-se, para isto, tanto da máquina de propaganda quanto das burocracias governamentais e de instituições como a ONU.

Não faz muito tempo, convém lembrar, que os russos foram acusados de “roubar” estudos sobre a vacina que vinha sendo desenvolvida nos países centrais do capitalismo. Estes episódios somam-se a outros tais como:

  • A Copa do Mundo de 2018, quando – a exemplo do que fora visto no Brasil – um movimento  do tipo “Não vai ter Copa” tentou minar a realização do evento no país, valendo-se de críticas à política de direitos humanos do governo Putin.
  • Caso Skripal (2018): Ex-espião duplo da Rússia, Serguei Skripal estava preso no país, condenado por alta traição quando sua dupla atividade foi descoberta, refugiando-se na Inglaterra após uma troca de prisioneiros entre os dois países ocorrida em 2010. Há 3 meses da Copa do Mundo, Skripal e sua filha ganharam os noticiários por um suposto caso de ataque por envenenamento. Primeira-ministra britânica na época, Theresa May, acusou a Rússia pelo ocorrido, expulsando do país 23 diplomatas, o que foi questionado pelos russos. Apontando a falta de evidências, os russos questionaram também qual o antídoto usado para tratar o envenenamento, já que o agente nervoso identificado seria extremamente tóxico, o que levantou suspeitas sobre o fato dos médicos britânicos possuírem as substâncias necessárias para tratamento. O caso nunca foi esclarecido.
  • Suspensão de atletas russos por “dopping”(2019): Em dezembro de 2019, um relatório “independente” atestou a existência de um suposto esquema de dopping envolvendo o serviço secreto russo, acusado de violar testes de urina pela ambição de “vencer a qualquer custo”, conforme as palavras de um dos denunciantes, o médico russo exilado nos EUA, Grigory Rodchenkov. Em decorrência do episódio, a Rússia foi banida de todas as competições esportivas internacionais até o ano de 2022, incluindo as Olimpíada de 2020, em Tóquio, a Olimpíada de Inverno de 2022, em Pequim, e a Copa do Mundo de 2022, no Catar.
  • Recompensa por cabeça de soldados americanos no Afeganistão (2020): “A notícia dos pagamentos russos é apenas mais uma história de ‘fake news’, contada para me prejudicar a mim e ao Partido Republicano. A fonte secreta provavelmente nem existe, tal como a própria história”. Sob estes termos, e em postagem no Twitter, o presidente americano Donald Trump precisou defender-se diante de acusações de que o governo russo estaria oferecendo recompensas a mercenários por soldados americanos mortos no Afeganistão, que afinal, é um país invadido pelos EUA.
Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas