Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
JOKA0774
|

O golpe segue a todo o vapor. Jair Bolsonaro, eleito de maneira fraudulenta, dará continuidade à devastação promovida por Michel Temer contra o País. Tanto no sentido econômico, entregando os recursos naturais e empresas nacionais aos capitalistas e ao imperialismo, como no sentido político e social, implementando uma caçada ao movimento popular.

Desde 2013 as organizações de esquerda vêm sendo perseguidas e atacadas por elementos de extrema-direita, com pouca ou nenhuma reação. Dezenas de sindicatos, associações e partidos, bem como acampamentos de sem terra e sem teto, eventos do movimento estudantil e manifestações populares sofreram ataques.

Com o golpe consumado e o governo na mão da direita, a repressão veio diretamente do Estado. Antes mesmo disso, a pressão da direita levou o governo Dilma Rousseff a propor e aprovar a Lei Antiterrorismo, que, já naquele momento, o Diário Causa Operária alertava que seria utilizada pela direita exatamente para criminalizar as organizações populares ligadas ao próprio PT.

E é isso o que vai acontecer no governo ilegítimo de Bolsonaro. Como uma continuidade e aprofundamento do regime golpista, no qual partidos de esquerda como o PT veem suas lideranças serem perseguidas e presas (como José Dirceu, Delúbio Soares, João Vaccari Neto e o maior líder popular do País, Lula da Silva) e sua própria estrutura partidária ser demolida aos poucos pelos incessantes ataques da Justiça, Polícia Federal, Ministério Público, Polícia Militar, etc.

Bolsonaro já afirmou veementemente, durante a campanha eleitoral, que vai jogar na ilegalidade e prender todo o movimento de esquerda do País. Disse que Lula vai apodrecer na cadeia e que o candidato do PT derrotado pela fraude, Fernando Haddad, irá fazer companhia ao ex-presidente. Também disse que vai tipificar as ações legítimas de ocupação de latifúndios e imóveis vazios realizadas pelo MST e pelo MTST como terrorismo. Em suas próprias palavras, a esquerda será exterminada.

Entretanto, boa parte da esquerda ainda acha que isso é impossível de acontecer. Acredita piamente nas instituições burguesas, controladas pela direita, que derrubaram Dilma e prenderam Lula ilegalmente. Que fraudaram as eleições. Acredita que o Judiciário golpista, o Congresso golpista, a imprensa golpista e a polícia fascista impedirão mais esse golpe fascista.

A trama, no entanto, parece estar se aproximando cada vez mais de seu clímax, e observadores mais atentos já estão começando a se preocupar e a alertar sobre isso. Esse é o caso da pesquisadora francesa Maud Chirio, que disse que os “excessos pontuais” atribuídos a Bolsonaro são, na verdade, “uma retórica recorrente a indicar que ele não aceitará a sobrevida política de uma oposição de esquerda, o que já basta para caracterizar como não democrático o regime que vai se instaurar em janeiro de 2019”.

Em entrevista ao jornal golpista Folha de S. Paulo, a estudiosa da direita brasileira foi ainda mais longe: “Para mim, no dia 3 de janeiro de 2019, o MST e o MTST serão declarados organizações terroristas. No começo de fevereiro, o PT vai ser interditado. Haverá um expurgo na administração pública, que já está em preparação. Só não vê quem não quer.”

A esquerda e o movimento popular não podem perder mais tempo acreditando nas instituições. É preciso organizar o mais rápido possível um amplo movimento de massas independente da burguesia e sem conciliação com os golpistas para enfrentar os profundos ataques da extrema-direita, que agora comanda todas as estruturas o Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas