Crise econômica
Falências aumentam 30% em maio e burguesia brasileira sente o baque.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
mercado
Portas fechadas, o símbolo da atualidade | Foto: Daniel Lobo

No momento de aprofundamento da crise do coronavírus no Brasil, quando o número diário de mortes se aproxima de 1500, ainda que subestimados, e um desejo da burguesia nacional em retomar a atividade econômica, a empresa do setor de finanças, Boa Vista, anuncia mais números que indicam a sucumbência dos capitalistas nacionais diante da crise econômica.

Segundo o anuncio, houve um crescimento de 30% nos pedidos de falência em maio, em relação ao mês anterior. Também aumentaram as taxas que medem os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas, respectivamente 68,6% e 61,5%, também em relação ao mês anterior.

Fazendo uma análise acumulada nos últimos 12 meses, os pedidos de recuperação judicial apresentaram alta de 3,7%, assim como as recuperações judiciais deferidas (2,4%). No entanto, em sentido contrário, ainda na análise acumulada no último ano, os pedidos de falência caíram 25% e as falências decretadas 21,6%.

Os números anunciados pela Boa Vista são coerentes com a previsão de queda de 10% PIB para o segundo trimestre e a redução de 18,8% da produção industrial. Demonstram um aprofundamento da atual crise capitalista iniciada em 2008, e agravada pela pandemia de covid-19. Recentemente, o DCO (Diário Causa Operária) publicou matéria intitulada “Um pós-pandemia com privatizações e liquidação do patrimônio”, acerca do plano do governo brasileiro de retomar a agenda pró-mercado, um claro indicativo de que a burguesia já sabia que a crise iria escalar.

Diante do aprofundamento da crise, percebe-se o desespero que se instalou no âmago da burguesia brasileira, demonstrado no racha surgido no interior do bloco golpista que elegeu o fascista Bolsonaro. Neste momento a burguesia brasileira encontra-se diante do dilema de apertar ainda mais o torniquete para conter as perdas ou relaxar a pressão e ver a esquerda avançar ameaçadoramente sobre o regime político.

Felizmente para os capitalistas, a esquerda brasileira ainda não encontrou o passo e ainda se debate de forma confusa entre a Frente Ampla e retomada das ruas. Os atos anunciados pra as próximas semanas podem ser o inicio do fim das incertezas em ambos os campos da luta de classes. O tempo dirá.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas