Faroeste judiciário
Governador de Santa Catarina é derrubado em embate interno na direita.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Florianópolis - Governador Moisés e da vice Daniela Reinehr tomam posse na Alesc.
Carlos Moises da Silva (PSL) | Foto: Reprodução

Carlos Moises da Silva (PSL) atual governador de Santa Catarina será afastado do cargo a partir do dia 27 por até 180 dias em função do julgamento que enfrentará para decidir se sofrerá impeachment. A denúncia foi aceita pelo Tribunal Especial de Julgamento na madrugada deste sábado (24), se ele for declarado culpado no julgamento que se seguirá, perderá o cargo definitivamente.  Sua Vice-governadora, Daniela Reinehr (sem partido) teve a denúncia rejeitada pelo tribunal, dessa forma assumirá de forma interina o cargo após o afastamento. 

Carlos é julgado a respeito do caso do aumento salarial dado aos procuradores do estado em 2019, constituindo assim supostamente uma forma de clientelismo político com uso de poderes do cargo.

 É importante frisar que estes casos, mesmo quando a denúncia se baseia em fatos reais, são utilizadas como pretexto para a burguesia atacar os setores que lhe convém derrubar ou ameaçar se aproveitando da legitimidade da prerrogativa institucional. O caso acerca da derrubada do governador vem numa onda de embates internos entre a burguesia e do acirramento do processo ditatorial no país que vêm centralizando cada vez mais o poder e esvaziando o já precário estado de direito, ou seja, os mecanismos como presunção de inocência, habeas corpus e etc.

Alguns casos envolvendo o embate da direita e a campanha pelo acirramento dos processos de condenações envolvem por exemplo o governador Wilson Witzel , o qual foi derrubado após se colocar contra Bolsonaro na política relativa ao “lockdown”. Naquele momento a tendência da política da burguesia era apenas “ pôr Bolsonaro na linha” contendo a polarização e não derrubá-lo. Witzel acabou por perder a posição de governador.

 No caso de Witzel a esquerda eleitoreira chegou a se vangloriar reclamando responsabilidade pelo feito, isso se resume a propaganda eleitoral e não constitui qualquer reflexo de uma vitória da esquerda ou do povo pois witzel e Carlos Moisés foram derrubados pela própria direita. Somente a partir de uma organização do povo e em sua luta empreendida é possível dar um rumo para a situação política, a derrubada de governos fascistas como de Bolsonaro deve vir da mobilização de massas e não da frente ampla com os próprios fascistas por exemplo,como sugere Guilherme Boulos. 

Do contrário, fica-se a reboque das ações da burguesia, tendo alguns setores se aproveitando para contar a história se pondo como heróis, como no caso citado envolvendo o Psol e como no caso de Iago Montalvão, presidente da UNE que se vangloriou após Weintraub ser retirado do cargo como se fosse a partir de uma intensa luta da UNE, que efetivamente moveu pouco ou nada a respeito.

É preciso tomar cuidado, mesmo em casos de governadores de direita, com a ideia de caçar o mandato concedido pelas urnas sem a participação do povo no processo, isso tornar-se-à, uma clara ferramenta de golpe de Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas