Lula está certo
Nada de meias medidas; anular as condenacões e liberdade para Lula
É preciso intensificar a mobilização nas ruas de todo o País e ocupar Curitiba, dia 27
lula1
Lula está certo
Nada de meias medidas; anular as condenacões e liberdade para Lula
É preciso intensificar a mobilização nas ruas de todo o País e ocupar Curitiba, dia 27
O ex-presidente em entrevista no cárcere em Curitiba
lula1
O ex-presidente em entrevista no cárcere em Curitiba

Em um importante e acertado pronunciamento, por meio de Carta endereçada ao povo brasileiro,  o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, se manifestou ontem (dia 30/09) contra o golpe dos procuradores do MPF, que propuseram à juíza responsável pela execução da pena ilegal imposta ao ex-presidente, que ele passe ao regime semiaberto.

No documento, Lula afirma que  não aceita “barganhar meus direitos e minha liberdade” e denuncia os procuradores pelos danos causados ao “povo brasileiro, aos milhões de desempregados e à minha família pelo mal que fizeram à democracia, à Justiça e ao país”.

Trata-se de um posicionamento acertado, com o qual o ex-presidente, refuta a posição capituladora – como sempre – de setores da direita do seu próprio Partido que buscavam pressioná-lo a aceitar as medidas e as possíveis condições draconianas que o MPF e o judiciário golpista (articulados como se viu em toda a operação criminosa realizada sob o pretexto do “combate à corrupção”).

Esses setores e os golpistas querem evitar que permanência de Lula como preso político em Curitiba, continue a fazer aumentar a crise em torno de sua prisão, que cresça a mobilização pela sua liberdade – como vem ocorrendo – e que isso empurre ladeira abaixo a super desmoralizada operação Lava Jato. Uma situação  que,neste momento, favorece a correlação de forças em favor de Lula e das organizações que lutam pela sua liberdade, fazendo aumentar a crise do conjunto do regime golpista, que não pará de crescer. Também diante da enorme rejeição popular ao governo ilegítimo de Jair Bolsonaro e seus comparsas.

Se aceitasse a medida golpista dos procuradores, Lula e sua defesa além de estarem aceitando a sentença ilegal contra o ex-presidente, poderiam sinalizar no sentido  da dispersão da luta pela sua liberdade, que unifica os setores mais combativos da esquerda e serve de alavanca para a luta geral dos trabalhadores contra a ofensiva da direita golpista em todos os terrenos contra o povo brasileiro.

Ao contrário dessa política capituladora, o posicionamento de Lula reforça a necessidade de um grande mobilização em favor dos seus direitos democráticos e de todo o povo brasileiro.
Mais do que nunca é preciso impulsionar a mobilização, ocupando as ruas em grandes protestos, como o ato nacional convocado para o dia 27 de outubro próximo, data oficial do aniversário de Lula, em Curitiba, proposto pelo PCO – Partido da Causa Operária e pelos Comitês de Luta Contra o Golpe e aprovado pela II Plenária Nacional Lula Livre, no último dia 14.

Nada de aceitar “meia-liberdade” e outros golpes. Exigir e conquistar por meio da luta a libertar integral de Lula, a anulação de todos os processos contra o ex-presidente e todos os presos políticos do regime.