Em ação criminosa da polícia, dois homens são executados em MG

Anterior
Próximo

Aumento da opressão da mulher

Desemprego e o aprisionamento: fim do Estado capitalista!

As mulheres vêm sendo um dos segmentos sociais mais afetados pelo golpe e pela repressão estatal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Encarceramento feminino no Brasil é um dos maiores do mundo – Foto: Reprodução

Não é novidade que desde 2016 a população brasileira vem sofrendo com os altos custos do golpe de Estado imposto pela burguesia. As condições que já não eram boas, foram absurdamente agravadas pela política golpista e bolsonarista de devastação das conquistas dos trabalhadores. As mulheres, enquanto grupo oprimido pela ordem capitalista, sofrem ainda mais com todos esses ataques.

Historicamente as mulheres são mais afetadas pelo desemprego. Segundo dados do IBGE, no final de 2019 havia 12,6 milhões de pessoas desempregadas no Brasil, sem contabilizar aquelas que trabalham na informalidade e na ilegalidade ou as que compõem o grupo de não utilizadas do mercado de trabalho. Já a taxa de desemprego entre as mulheres no mesmo período foi de 13,1%, enquanto a de homens foi de 9,2%.

A desculpa dos principais setores da burguesia para o maior percentual de mulheres desempregadas em relação ao dos homens seria porque elas “não se encaixam” no mercado de trabalho. Em outras palavras: o ritmo e a regra de exploração do capitalismo não permitem que a mulher possa trabalhar.

Há, por exemplo, mães solteiras que não têm com quem deixar a criança, já que o papel de criação das crianças foi tirado da coletividade e entregue à família ou unicamente à mãe. O Estado capitalista oprime de diversas formas a mulher e está muito longe de porventura amenizá-las ou diminuí-las efetivamente.

Como já havíamos divulgado na matéria sobre a farsa da luta feminista identitária, o Fundo Econômico Mundial (FEM) apontou em levantamento que as mulheres só poderão atingir igualdade no trabalho com os homens em 2276. Portanto, se a luta pela emancipação das mulheres depender dos movimentos feministas identitários, os quais adotam políticas reacionárias e punitivistas para não combater verdadeiramente a opressão das mulheres, esperaremos mais de dois séculos para talvez conquistar igualdade no trabalho.

Paralelamente, também no final de 2019, o Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), divulgou os dados relativos ao encarceramento e sistema prisional do ano. Em 2019, o Brasil fechou o ano com 773 mil pessoas compondo a população carcerária no país, com as mulheres representando pouco mais de 8% desse total.

Vale lembrar, no entanto, que, segundo levantamento de 2018 do Ministério da Justiça, o Brasil é o 4º país no mundo que mais encarcera mulheres e em 2019 o número de aprisionamento de mulheres por ano voltou a crescer somando 37,8 mil mulheres presas, contra 36,4 mil mulheres que foram presas em 2018.

Ainda segundo dados do mesmo levantamento, 62% da população de mulheres presas foram enquadradas no crime de tráfico. A Lei 11.343/2006, mais conhecida como “lei de drogas”, instituiu as tipificações penais relacionadas ao tráfico de drogas e causou o crescimento do aprisionamento de mulheres em 455% só entre os anos de 2000 e 2016.

Por outro lado, recentemente o projeto de lei da deputada golpista Rose Modesto (PSDB-MS) para aumentar a pena mínima do crime de feminicídio foi aprovado na Câmara dos Deputados e seguirá em breve para votação no Senado. Medidas como esta para o aumento de pena só servem para prender e oprimir ainda mais pobres e comprovadamente não diminuem a violência contra a mulher.

Mesmo quando as mulheres estão diante da justiça sob a condição de vítimas, são submetidas aos mais perversos julgamentos institucionais, mas também seus agressores. A justiça não nasceu da liberdade, mas sim da propriedade privada e cumpre o papel de manter todas as opressões do Estado burguês, prendendo ainda mais mulheres e as submetendo às diversas violências do cárcere.

Com a eclosão da pandemia de coronavírus no Brasil, as medidas ditatoriais contra os direitos da população atingiram com mais profundidade quem está encarcerado, já que vários dos seus direitos e garantias democráticas foram suspensas. Dentre os principais retrocessos é possível citar a suspensão do direito de visita e de comunicação com a sociedade e a suspensão das audiências de custódia.

Outro dado importante diz respeito às altas taxas de superpopulação e sucateamento dos presídios, situação esta que durante a pandemia agravou-se ainda mais, pois tornava-se inviável para o cuidado sanitário e prevenção da infecção do coronavírus.

Mesmo com a crise da pandemia, os bancos e os mais ricos não deixaram de gozar de privilégios, enquanto a população passa fome e morre cada vez mais. Atualmente, em meados de 2021, somam-se quase 500 mil mortes por Covid-19, mas a principal medida de Bolsonaro para combater os efeitos do coronavírus foi fazer o Banco Central injetar mais de 1,2 trilhão aos bancos em março do ano passado. 

Um país que muito encarcera indica também que é um país autoritário e com profundas contradições sociais. A pandemia deixou mais explícita a realidade depois do golpe que é cada vez mais autoritária, genocida e repressora, principalmente de grupos já marginalizados como as mulheres e presas. É necessário reforçar a necessidade de um enfrentamento concreto às opressões que se mantêm no capitalismo, indicando o caminho não da luta identitária, mas da organização coletiva das mulheres junto às massas pela emancipação que só virá com a revolução social e o socialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.