Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
image
|

Da redação – Reproduzimos texto do sociólogo venezuelano Anisio Pires, que estudou na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e vive atualmente na cidade de Asunción, capital do estado de Nueva Esparta, Venezuela. Neste artigo, ele denuncia as distorções sobre o que ocorre na Venezuela a pretexto de uma invasão imperialista para derrubar o governo legítimo de Nicolás Maduro e o chavismo.

Recentemente, ele concedeu uma entrevista ao Diário Causa Operária sobre as mentiras que a imprensa venezuelana e internacional contam sobre seu país.

Leia o texto de Anisio Pires:

Venezuela, meu pais, está assediado neste momento.

Comparo a informação que a mídia “interessada” divulga com o dia-a-dia que me toca viver e me pergunto: como podem mentir de forma tão descarada e sistemática sobre o que aqui está acontecendo? E logo vem a pergunta de como é possível que as mesmas pessoas – amigos (as), professores (as) e conhecidos (as) – que tanto escreveram no Brasil indignadas com o que aconteceu com a Presidenta Dilma e com o que vem acontecendo com o Presidente Lula, sejam incapazes de se solidarizar neste momento com meu povo quando se encontra ameaçado de ser atacado militarmente pelos EUA. 

As mesmas pessoas que ontem denunciavam a tragédia acontecida no Iraque, na Líbia e na Síria, hoje permanecem caladas nesta grave situação que enfrenta a Venezuela. Parafraseando a Hanna Arendt, é a banalização do que significa imperialismo por uma ideologia que em nome da “democracia” nega a realidade, isto é, a vida mesma, porque se meu pais for atacado militarmente pelos mesmos criminosos que tantos assassinatos têm cometido no mundo inteiro, o que acham que vai acontecer? Eis o preço desumano que alguns e algumas estão dispostos a pagar baseados num suposto “pensamento crítico” que em nome de não compactuar com supostos “regimes autoritários” lavam as mãos ante o sério perigo que enfrenta a Venezuela. 

Por sorte depois do choque inicial midiático que tornou a Venezuela a pior coisa do mundo, começaram a aparecer no mundo inteiro as manifestações reais de solidariedade com o povo venezuelano. O mesmo Roger Waters do Pink Floyd que esteve e está ao lado do Lula, hoje está ao lado da Venezuela. Estamos virando o jogo e, para alegria pessoal, é bom saber que na Porto Alegre na qual lutei por vários anos surgiu o Comitê Gaúcho de Solidariedade ao Povo Venezuelano. 

Gracias, meus irmãos e irmãs! Lula será livre e a Venezuela também.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas