Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tv-lula
|

Conforme antevisto nas análises da Causa Operária desde o impeachment de Dilma Rousseff, os golpistas estão usando de todas as suas armas para inviabilizar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2018 – e convém lembrar: o mesmo aconteceria com qualquer candidato que represente de fato setores populares da sociedade e que tenha chances reais de vencer o pleito. Afinal, o imperialismo golpista tem pressa em aprofundar os ataques à população, e se despendeu enormes recursos para conduzir o impeachment fraudulento, não entregará sem mais o comando do país de volta a qualquer candidato que tenha trabalhadores em sua base social.

Uma das frentes de ataque é, como de hábito, o Poder Judiciário. Agindo de modo francamente partidário, ministros golpistas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vêm aventando desde o registro da candidatura de Lula a possibilidade de cassar o tempo de propaganda eleitoral televisiva do PT, caso o Partido opte por manter a candidatura de Lula.

Na prática, é uma pressão pela adoção do chamado “plano B”, em que o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, e Manuela D’Ávila (PCdoB) seriam os candidatos à Presidência e Vice-Presidência da República. Como se sabe, tal candidatura tem pouca ou nenhuma chance de vitória – pois depende integralmente de uma transferência de votos de Lula para Haddad difícil de ser feita com o ex-presidente na cadeia. Além disso, como se apontou, os golpistas têm todo um aparato na imprensa e no Judiciário para atacar as candidaturas. Como de hábito, em todo caso, toda fraude é possível na democracia burguesa, sobretudo em tempos de golpe.

Na mesma frente de ataque, na última sexta (24) o ministro do TSE, Sérgio Banhos, atropelou a lei e cedeu a um pedido da imprensa golpista para não divulgar a candidatura de Lula ou a agenda de Haddad em seus órgãos de jornalismo.

Ceder à pressão da direita, optando por um “plano B”, seria uma grande capitulação do PT. Seria a conivência com um processo eleitoral fraudulento – como o demonstram as manobras políticas dos ministros do TSE – em que o principal candidato foi preso sem provas. Seria ainda a legitimação desse processo, permitindo aos golpista legitimar pelas urnas um candidato de direita que aprofundaria o golpe. Seria, por fim, um potencial elemento de desmobilização da população na luta contra o golpe – e as 50 mil pessoas que compareceram ao ato de registro da candidatura de Lula atestam a vontade do povo em se organizar. Atender verdadeiramente ao clamor popular é lutar resolutamente contra o golpe e os ataques do imperialismo sobre as classes oprimidas, e não ceder a pressão golpista para referendar eleições manipuladas. Eleição sem Lula é fraude!.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas