Fascismo no Reino Unido
Partido abertamente fascista, o NBU ilustra a virtual falência da democracia liberal, colocando a contrarrevolução cada vez mais em evidência
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
gary-raikes_fascits
Militante da extrema-direita desde os anos 1970, o britânico Gary Raikes se inspira em Oswald Mosley | Reprodução / Daily Record

O líder do partido New British Union (Nova União Britânica) deu uma entrevista à agência russa RT, prometendo um ressurgimento do movimento fascista no Reino Unido. Fundado em 2012 por Gary Raikes, com o lema “Restaurando a fé no Fascismo”, o NBU não está registrado na Comissão Eleitoral britânica (órgão de regulamentação do processo eleitoral gerido pelos partidos) porém seu líder descreve a estratégia de desenvolvimento do partido como “por etapas”.

“Podemos nos aliar a partidos nacionalistas primeiro, antes de nos movermos para o pleno fascismo. Como muitas pessoas estão apáticas em relação à política e do jeito como as coisas vão no mundo, isto pode ser feito em dez anos.”

Citando a crise, Raikes avisa que

“conforme as coisas piorarem, e elas vão piorar, as pessoas se inclinarão ao fascismo e uma liderança forte.”

Para isso, o dirigente do movimento fascista lembra que cerca de 70% dos britânicos não votam, “cansadas do Lib-Lab-Con”, referência a alternância entre liberais, trabalhistas (Labours) e conservadores. As alternativas de direita surgidas na crise pós Grande Recessão (2008), UKIP e The Brexit Party “venderam falsas esperanças” segundo o fascista.

O nome do partido criado por Raikes busca resgatar a memória do antigo partido liderado por Oswald Mosley, União dos Fascistas Britânicos, que ameaçou repetir na Inglaterra e demais países do Reino Unido os feitos da extrema-direita italiana e alemã, sendo contudo barrados pela mobilização dos trabalhadores, com destaque para o episódio conhecido como “Batalha de Cable Street”. Mosley, por sinal, é referenciado como “O Líder” pelos membros.

O programa, sem nenhuma surpresa, é conhecido pelos brasileiros. A educação “terá que mudar devido à infiltração da agenda liberal. Escolas não tratam mais de ensinar e informar”. Jovens sem teto “aumentariam enormemente” os serviços armados. O serviço público de saúde (NHS) seria gerido “livre do peso da burocracia governamental, como as corporações nacionais.” O fascista destaca também que luta “pela minoria branca no mundo”.

Adotando o uniforme preto e a saudação romana, o NBU aparece como uma carta na manga da burguesia britânica, um expediente para lidar com o desenvolvimento da crise capitalista, que por sua vez, leva o fascismo se alastrar pelo mundo, embora entre os países centrais do conjunto das nações imperialistas, poucos lugares apresentem um movimento tão desenvolvido quanto Inglaterra e Alemanha, o que deve manter os partidos de esquerda e organizações de luta dos trabalhadores atentas dado a falência do regime democrático burguês não apenas nas periferias do capitalismo mas até mesmo nas principais nações do sistema.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas