Movimento Estudantil
Estudantes fazem um segundo ato contra a nomeação de reitor interventor bolsonarista na UFPB bloqueando vias e ocupando a reitoria
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
UF
Prédio do CCEN da UFPB | Foto: Bernardo Kyotoku

No começo do mês de Novembro, o reitor escolhido pelo presidente ilegítimo Jair Bolsonaro foi empossado e a movimentação dos estudantes contra esse ato interventor começou a se concretizar por meio de um protesto em frente a reitoria.

O protesto se deu por conta da posse do Reitor interventor Valdiney Veloso Gouveia, que compunha uma chapa nas eleições universitárias e não recebeu um voto sequer, o que não o impediu de ser escolhido. O protesto que se iniciou no começo do mês cresceu e deu vazão a uma maior atividade e organização do movimento estudantil.

Nesta última quarta-feira, os estudantes, os servidores e os professores da UFPB fizeram um ato público que começou por volta das 16h. A manifestação se reuniu na Praça da Paz, bairro dos bancários de João Pessoa e prosseguiu até a UFPB ocupando a reitoria da universidade. Além da ocupação, os membros também ocuparam a Via Expressa Padre Zé ateando fogo em pneus para bloquear a passagem de automóveis. Ou seja, o ato foi combativo e mostra o interesse da comunidade universitária de conjunto de lutar pela autonomia universitária e contra a intervenção bolsonarista na universidade.

Segundo a AdufPB, Associação de docentes da universidade federal da Paraíba, o ato é parte da decisão tomada pelos professores e servidores no dia 13 quando em assembleia determinaram a paralisação das atividades da UFPB. Os estudantes da universidade e organizações estudantis como o Levante Popular da Juventude e a União Nacional dos Estudantes também tiveram papéis determinantes na decisão. É importante ressaltar a paralisação também é motivada pela intervenção bolsonarista e busca lutar pela autonomia e pela derrubada do interventor, e portanto, o respeito a escolha da comunidade, a organização dos estudantes, técnicos e professores.

É preciso ver o ato como um avanço de conjunto e principalmente dos estudantes que lideram a manifestação desde o seu começo, e também uma continuidade positiva do ato realizado no dia 5, data da publicação do reitor no Diário Oficial. É preciso lutar pela intensificação do movimento e pela continuidade e radicalização dos atos. O ato não deve acabar com a retirada do interventor e com a posse da chapa vencedora, deve-se estirpar o mal pela raiz. É preciso uma ampla mobilização nacional liderada pelos estudantes pelo Fora Bolsonaro e contra a direita inimiga da juventude!

Antes de tudo, é necessário explicar que só com a mobilização nacional da juventude e com a derrubada de Bolsonaro que poderemos conquistar concretamente a autonomia universitária, o governo tripartite, um governo democrático de pareamento dos votos de estudantes, professores e servidores, assim como também o fortalecimento do movimento estudantil e da juventude. No momento temos que enfrentar o EAD, a Farsa do Ensino Híbrido, a volta às aulas presenciais, a militarização das escolas e intervenção nas universidades cientes de que só a organização e revitalização do movimento estudantil e a luta da juventude pelo Fora Bolsonaro que unifica a luta e torna possível concretizar os avanços obtidos nos últimos meses. Pelo Fora Bolsonaro!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas