Movimento Estudantil
Estudantes permanecem ocupando a porta da reitoria da UFPB após quatro dias de protestos. É preciso impulsionar a mobilização dos estudantes contra o interventor bolsonarista!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
UFPB (1)
Campus da UFPB | Foto: Ticiano Rocha

Na semana passada, as eleições da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) tiveram seu encerramento com a nomeação dos candidatos das chapas que compunham a lista tríplice composta pelo Conselho. As chapas em questão eram três que se classificaram, respectivamente, em primeiro lugar a Chapa Inovação com Inclusão com 47 votos, em segundo lugar a Chapa UFPB em primeiro lugar com 45 votos e por último com zero votos a Chapa Orgulho de ser UFPB, que tinha Valdiney Veloso como candidato a reitor, o que não o impediu de ter sido nomeado.

No dia 5/11, o resultado da consulta realizada com os discentes no dia 26 de agosto foi descartado com a posse da chapa que não conseguiu um voto sequer. Nesse sentido, o atual reitor é um interventor eleito por Bolsonaro, um interventor bolsonarista. Esse não foi o único caso de escolha de reitores que não conseguiram o primeiro lugar da lista tríplice pela consulta. Segundo a UNE (União Nacional dos Estudantes), outros doze casos análogos ocorreram pelo Brasil. O que mostra o caráter amplo e progressivo da intervenção bolsonarista na educação.

Desde então, os estudantes ultrapassaram os esforços legais providos pela UNE e foram às ruas para ocupar a porta da reitoria e lá permanecem por mais de quatro dias. Essa iniciativa da juventude estudantil oferece a oportunidade de organizar o movimento estudantil na luta pela derrubada de Bolsonaro e de seu interventor. Com isso, é mais que necessário apoiar a mobilização e seus esforços para enfrentar o ataque da direita e não só travar a luta pelas instituições como as direções paralisadas tentam travar.

Sem dúvidas, o ato é representativo de toda a comunidade universitária: o grupo que se denomina como Aleph, nome do estudante morto na UFPB em Fevereiro, recebe doações de professores e técnicos que realizam esse apoio à manutenção do protesto, e portanto, da luta dos estudantes. Como sabemos, a juventude é quem possuí o papel de vanguarda no movimentos nas escolas e universidades com o apoio do resto da comunidade, ou seja, dos servidores, dos docente e da comunidade ao redor.

É preciso mobilizar os estudantes para que o protesto não só continue mas, se radicalize e se organize para reunir forças contra a intervenção bolsonarista, revitalizar o movimento estudantil e mobilize os estudantes pelo Fora Bolsonaro. Sem isso, não será possível manter a autonomia universitária, os direitos dos estudantes e a organização do movimento estudantil! É urgente que a mobilização estudantil seja nacional e que proponha o Fora Bolsonaro, o inimigo da juventude estudantil e trabalhadora!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas