Perseguição
A extrema direita continua seus ataques contra os direitos das mulheres e contra aqueles que as defendem
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
xMedicoOlimpio01.jpg.pagespeed.ic.bkSnLvzMvr (2)
Olímpio Barbosa de Morais Filho, diretor do CISAM-PE, defensor do aborto legal. | Reprodução

O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) abriu uma sindicância contra o médico obstetra Olimpio Barbosa de Moraes Filho, diretor do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (CISAM-UPE),  instituição que realizou o aborto legal na menina de 10 anos, estuprada pelo tio, no Espirito Santo, após ter tido seu direito negado no seu estado natal.

A investigação foi aberta após denúncia assinada pelo coordenador do Movimento Legislação e Vida, Hermes Rodrigues Nery, filiado ao Partido Humanista da Solidariedade (PHS). O grupo, em nome dos “valores cristãos”, vem defendendo absurdos como a proibição do aborto, a não obrigatoriedade do uso de máscaras e da imunização.  Dr. Olimpio disse que irá responder com “a tranquilidade de quem agiu perante a ética médica”, uma vez que o procedimento foi autorizado pela Justiça do estado de Espírito Santo, conforme o direito legal de aborto em caso de estupro, e quando a gravidez oferecer risco à vida da mulher. No caso, a menina estava duplamente amparada pela lei para fazer o aborto.

O médico que atua há cerca de 30 anos como obstetra no Brasil é uma das referências nacionais na assistência à mulher e adolescente em situação de violência sexual e doméstica, e na defesa do aborto legal. Por isso, vem sendo perseguido há muito tempo por grupos extremistas. Ele chegou a ser excomungado pela Igreja Católica por ter realizado aborto em outra criança de 9 anos, grávida de gêmeos, abusada sexualmente pelo próprio padrasto.

A extrema direita continua seus ataques contra os direitos das mulheres, seja por meio da edição de leis que retiram os direitos ou dificultam o acesso a eles, como a portaria n°2282 de 27 de agosto de 2020, que após protestos foi reeditada no dia 23 de setembro, denunciada aqui do Diário da Causa Operária. Como também, atacando diretamente aqueles que as defendem. Essa perseguição realizada por meio do CREMEPE, acaba por intimidar outros médicos a realizarem o procedimento do aborto legal.

Nesse sentido, é preciso fazer uma campanha tanto em defesa do Dr. Olimpio de Moraes, como em defesa do aborto. Vale ressaltar que o direito ao aborto é essencial para a mulher dentro da luta de classes uma vez que sua criminalização serve para perseguir as mulheres e perpetuar a escravidão à família e ao lar.

O Coletivo de mulheres Rosa Luxemburgo entrevistou Olímpio Moraes, no dia 30 de agosto. A entrevista foi transmitida ao vivo no TV Mulheres, que vai ao ar todos os domingos, a partir das 19 horas, na Causa Operária TV. Veja a entrevista na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=wcc6Tjn3foQ

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas