“Científica”
O Organização Mundial de Saúde (OMS) inaugura um novo modelo de ciência, auxiliando Bolsonaro, o “pequeno estudo”. Não é necessário provas, só o aval dos capitalistas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ligeirão
Bolsonaro conseguiu o aval para infectar toda população e salvar os capitalistas | Foto: Reprodução

Nessa semana, a OMS (Organização Mundial de Saúde) divulgou uma pequena nota, que eles chamam de “curto estudo”, a respeito do Coronavírus, que causou um ânimo para os capitalistas. A nota diz que os infectados assintomáticos têm pequenas chances de transmitir o vírus, segundo as palavras do órgão: “muito rara”, tal qual um pré-infecctado. Nas minúcias do “pequeno estudo”, confessam de que nada está confirmado.  

Na vanguarda da mitologia cientifica, a OMS lança mão desse artigo que é uma novidade no campo da ciência: um estudo convicto, mas sem provas. É muito fácil para o órgão imperialista fazer ciência, a despeito de uma longa tradição cientifica, com seus mais de 5000 anos, onde gerações e gerações passavam suas vidas buscando solucionar os problemas impostos pelas suas pesquisas, basta hoje opinar e dizer que é um “pequeno estudo”. 

Fica claro que não há nenhum “pequeno” nem “grande” estudo, a nota da OMS não passa de uma nota política. Muito bem direcionada para os setores imperialistas e os governos reacionários que estão desesperados para reabertura total da economia. E isso se mostra muito bem no governo ilegítimo de Bolsonaro. 

Assim que foi lançada a nota do “pequeno estudo” que não é estudo nenhum, Bolsonaro correu para dar suas congratulações à OMS, órgão que meses atrás ele chamava de “comunista” e “dirigida pelos chineses”. Esse alvoroço todo do governo e, consequentemente, dos capitalistas demonstram bem que esse artigo tem dono, e não é a ciência, mas a burguesia imperialista.  

O problema do isolamento causou um grande fervor nos capitalistas internacionais, já que paralisaria a economia nos países respectivos que adotassem essa política. Logo que surgiu a recomendação como forma secundária de impedir o avanço do vírus, foi aplicada parcialmente, quando a crise se aprofundava, era utilizado mais amplamente, se algum sinal fosse dado de que estava parcialmente contida a crise: estouravam-se os champagnes nos salões da burguesia e a população era novamente exposta ao vírus, obrigadas a trabalhar.  

Agora está aberta a porteira para Bolsonaro reabrir totalmente a economia do país, de ponta a ponta. E quem o fez não foi ele próprio, mas a OMS. Por isso a esquerda não se deve seguir cegamente o órgão ligado a ONU, exclusivamente a serviço do imperialismo mundial. É necessário um programa independente dos trabalhadores para a crise.  

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas