Infiltrado na esquerda
O líder fake dos sem teto desnudou-se nessas eleições: foi financiado por banqueiros e empreiteiras, bajulado pela imprensa golpista e ainda atacou Cuba e Venezuela
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Boulos-10-1024x682 (2)
Encontro de Boulos na Associação Comercial de São Paulo, a "casa do liberalismo" | Foto: Fábio Vieira/Metrópoles

Guilherme Boulos é um infiltrado na esquerda a serviço da direita. A campanha eleitoral escancarou esse fato. Se antes ele poderia passar um perfume cor-de-rosa para fingir seu esquerdismo, agora jogou às claras toda a podridão de sua política.

Quando o PCO denunciava o psolista por desempenhar um papel de total colaboração com a direita golpista e com o imperialismo, muitos nos acusaram de ter desavenças pessoais com Boulos. Obviamente que não se trata disso. Sempre fizemos colocações políticas, mas em troca fomos caluniados – aí sim – com ataques pessoais e morais, infantis, até mesmo pelo próprio Boulos. Ataques tipicamente bolsonaristas, de quem não encontra – porque não tem – argumentos para sustentar sua posição política.

Mas vejamos o que Boulos revelou nessa campanha eleitoral.

Um governo dos banqueiros e especuladores

Acompanhei a campanha de Boulos pelas redes sociais, diariamente. Não vi praticamente nenhuma menção ao MTST, movimento do qual foi o principal expoente. Boulos simplesmente abandonou os sem teto. O mínimo que é esperado de um suposto líder popular é que ele utilize a campanha eleitoral para fazer propaganda da organização em que atua, dando protagonismo a seus membros – no caso, os sem teto. Mas o que o oportunista pequeno-burguês fez foi o contrário.

No final de outubro, Boulos foi recebido como um amigo na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a “casa do liberalismo”, como disse um dos anfitriões. Lá, ele afirmou aos empresários: “não esperem de mim demonização do setor privado.” Ouviu, também, de outro anfitrião: “seu discurso é tão redondo, parece até candidato de direita (grifo nosso).”

Um mês depois, na reta final da campanha, Boulos recebeu um manifesto assinado por “empresários e agentes do mercado financeiro”, como noticiou a imprensa. Entre os signatários que declararam voto em Boulos estão o ex-banqueiro que fez campanha pelo impeachment, Eduardo Moreira, e do empresário do agronegócio Luis Rheingantz.

Boulos fez cinco encontros com capitalistas desde agosto e o último contou com a presença de 50 pessoas. Isso mesmo, Boulos conseguiu reunir 50 capitalistas em uma sala! (me diga o que você faria com 50 capitalistas em uma sala – eu atearia fogo e trancava a sala!).

Um dos capitalistas amigos de Boulos é João Paulo Pacífico, CEO do grupo de securitização imobiliária Gaia, um tucano com 20 anos de mercado financeiro. Ele disse que “não o vi sendo contra a iniciativa privada. Boulos fala que o Estado precisa da iniciativa privada para que a cidade prospere”. O especulador imobiliário ainda afirmou à agência Folhapress que Boulos é um político confiável para os capitalistas: “um cara de mercado financeiro não é alguém que vai apoiar o comunismo. Eu jamais apoiaria a estatização da minha empresa.”

Marcel Fukuyama, empresário que apoiou Marina Silva em 2018, tem a mesma avaliação de que “a aproximação do Boulos com o mercado está ampliando a confiança” da burguesia no psolista.

À mesma reportagem, Boulos afirmou que “é evidente que uma cidade como São Paulo necessita do investimento privado” e que “ao conhecer o candidato, muitos desses setores não só mudaram sua visão sobre ele, como também passaram a apoiá-lo ativamente (grifo nosso)”.

Paula Lavigne, que vem articulando a destruição da esquerda há tempos, reconhece que Boulos é adepto das Parcerias Público-Privadas (PPPs) e das Organizações Sociais (OSs) – eufemismos para PRIVATIZAÇÃO. “Já lidei com muitos políticos, e talvez ele seja o menos radical de todos (grifo nosso)”, revelou.

Se tudo isso já não fosse suficiente, na semana passada descobriu-se que a maior doadora individual da campanha de Boulos é Marília Andrade, nada menos do que a herdeira da empreiteira Andrade Gutiérrez. Ela desembolsou R$ 100 mil em Boulos.

Na época em que liderou o movimento “Não vai ter Copa” (junto com a direita golpista, que já buscava derrubar Dilma), Boulos acusava, de maneira demagógica como descobrimos agora, a ex-presidenta de receber dinheiro de empreiteiras para se eleger. Logicamente que isso é uma contradição para qualquer um que se diz de esquerda. Mas no caso de Boulos é ainda mais bizarro: ele se tornou conhecido justamente por ser a figura pública do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto. Teoricamente o MTST e os sem teto seriam os inimigos número 1 de uma empreiteira. Mas Boulos é amigão da Andrade Gutiérrez e, como visto acima, também da especulação imobiliária, que impedem o povo de ter moradia. Se formos lógicos, veremos que um amigo do seu inimigo também é seu inimigo! De fato, na prática, Boulos tirou definitivamente a máscara: é um inimigo dos sem teto, não um líder!

A imprensa golpista apoia Boulos

A aliança do líder fake dos sem teto com a burguesia golpista já era evidente por um motivo bem claro. Enquanto Lula, Dilma e o PT continuam sendo violentamente atacados pela imprensa capitalista, Boulos é bajulado por ela.

Nem preciso falar que a Folha de S.Paulo (a quem Boulos prestou serviço como colunista durante o golpe) adotou o ex-candidato do PSOL como seu mascote. Manchetes, reportagens, entrevistas, artigos de opinião foram publicados extensamente em homenagem a Boulos. Até mesmo matérias sobre Jilmar Tatto – então candidato petista em São Paulo – davam destaque a Boulos. O objetivo? Tirar votos de Titto e dar a Boulos, no que a imprensa foi bem-sucedida. A coluna de Mônica Bergamo foi um lugar especial para Boulos, onde ele desfrutava de um carinho sem precedentes para alguém de esquerda.

Tudo bem, alguns esquerdistas pequeno-burgueses vão me dizer que a Folha – que apoiou o golpe de 64, o golpe de 2016 e a prisão de Lula – até que é mais imparcial, neutra, democrática ou mesmo progressista (!). Mas o que dizer do apoio que Boulos tem de outros veículos que não escondem seu reacionarismo, como Globo, Veja e Jovem Pan?

Como as matérias acima provam, Boulos está sendo propagandeado pela mentirosa imprensa capitalista brasileira. Reinaldo Azevedo, o mesmo que inventou o termo “petralha” (para comparar os petistas com os Irmãos Metralha) e cuspia fogo em todos os lugares em que escrevia (como na Veja), era visto (Rede TV!) ou ouvido (Jovem Pan) contra a esquerda e os trabalhadores, agora elogia “o maior vitorioso desta eleição”, Guilherme Boulos. O canalha reacionário escreveu, em sua coluna no UOL, que vimos nessa eleição a formação de uma “onda Boulos”.

Algo parecido foi comentado pelo articulista da Época (principal revista do Grupo Globo), Luiz Fernando Vianna: as eleições viram nascer a “Boulosmania”! O Globo e a Veja (precisa explicar quem são essas publicações?) já levantam a hipótese de Boulos ser “o maior fenômeno eleitoral de 2020” e um “Lula 4.0 no futuro”. Na verdade, essas matérias expressam um sonho antigo da burguesia e da direita: não conseguiram eternizar o “Lulinha Paz & Amor”, tiveram que derrubar seu partido do governo, prendê-lo, cassar seus direitos políticos, impedi-lo de concorrer à presidência e mesmo assim são assombrados pelo seu fantasma, todas as noites. Agora, restou fabricar um “Boulinhos Paz & Amor”.

Esse sonho, que fica expressado de maneira sutil em O Globo e Veja, é escancarado na Jovem Pan. Álvaro Alves de Faria escreveu: “O problema maior [para o PT] é que Boulos está tirando o lugar de Lula na liderança da esquerda brasileira. Lula ainda não percebeu que seu tempo passou e Boulos vai conquistando seu lugar.” Quem não é de São Paulo talvez tenha sido abençoado por Deus por não precisar ouvir a JP todos os dias no trânsito. A rádio foi apelidada de “Jovem Klan” (em alusão à Ku Klux Klan) não à toa. Além de toda a campanha suja, mentirosa e criminosa pela derrubada de Dilma, prisão de Lula e eleição de Bolsonaro, ainda hoje a Klan se refere a Lula não como “ex-presidente” mas sim como “ex-presidiário” e chama o coronavírus de “vírus chinês”. Trata-se da mais profunda e fedida rede de esgoto da imprensa brasileira, um antro de nazistas. Mas incentiva a candidatura de Boulos. Por que será?

A imprensa, que expressa a opinião da burguesia, quer destruir o PT há muito tempo. Por isso deu o golpe. Mas não foi o suficiente. Não conseguindo, até o momento, destruir o Partido dos Trabalhadores, ela opera para minar o seu prestígio entre a esquerda e as massas, alavancado por sua ala esquerda encabeçada por Lula. Colocando essa ala para escanteio, a direita conseguirá anular o PT e, por conseguinte, toda a esquerda. Parte fundamental dessa estratégia é substituir o PT, principalmente a ala lulista, por alguém que não tenha ligação com o movimento operário, que não seja passível de pressão dos trabalhadores e que, portanto, seja facilmente domesticável pela burguesia. Esse alguém é Guilherme Boulos.

Aliado do imperialismo contra Cuba e Venezuela

Um divisor de águas para delimitar a esquerda e a direita é a defesa de Cuba e da Venezuela. Se você é uma pessoa de esquerda, não vai pensar duas vezes em defender esses dois países. Mas Boulos demonstrou sua covardia e acordo com a direita. Em entrevista à Rádio CBN, afirmou: “para mim, nem Cuba nem Venezuela são modelos de democracia.”

É para escancarar o caráter direitista da política de Boulos. Em rede nacional, qualquer político de esquerda, qualquer militante progressista deveria aproveitar a oportunidade para denunciar os ataques da direita e do imperialismo contra nossos irmãos cubanos e venezuelanos e, ao mesmo tempo, advogar as conquistas alcançadas para os povos dessas duas nações. Mas Boulos fez o contrário: ecoou a propaganda reacionária e mentirosa da direita e do imperialismo, que chamam Cuba e Venezuela de ditaduras.

Ora, se não é uma democracia, então é uma ditadura. Quais serão os modelos de democracia de Guilherme Boulos? Os EUA que jogaram duas bombas atômicas no Japão? A França de Macron? A Alemanha de Merkel? Ah, talvez os países escandinavos, refúgio da esquerda mais centrista e liberal, uma esquerda capitalista.

Defender, incondicionalmente, Cuba e Venezuela – ainda mais em uma situação na qual os dois países são os mais ameaçados pelo imperialismo no hemisfério – é uma obrigação, um princípio inviolável, um dever para quem se diz de esquerda.

Mas, infelizmente, nós também temos no Brasil uma esquerda pró-imperialista. Boulos não foi o primeiro. Em 2018, Fernando Haddad fez exatamente como Boulos: disse que Venezuela e Nicarágua (governada pelos sandinistas) não poderiam ser caracterizadas como democracias. Quando a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, foi à posse de Nicolás Maduro no início de 2019, Haddad questionou: “não sei o que levou Gleisi a Caracas”, porque “o ambiente lá não é democrático”.

Cuba e Venezuela são um termômetro para medir o grau de compromisso da esquerda com o imperialismo ou com os povos oprimidos. Defendê-las é defender os povos oprimidos contra o imperialismo. Mas a esquerda pequeno-burguesa, pressionada pela direita, a fim de se mostrar de confiança para a burguesia, procurando permissão para administrar o Estado burguês, entra na onda da propaganda reacionária e começa a atacar esses países. Trata-se de uma mensagem enviada ao imperialismo: “não defendo Cuba nem Venezuela, estou com você, Tio Sam. Pode me colocar no governo, vou me aliar ao senhor, não a essas ditaduras.” Não é muito diferente do que fez Ciro Gomes há pouco tempo, rastejando na frente de Joe Biden quando este se saiu vencedor das eleições norte-americanas.

A esquerda que se alia a Boulos, se alia à direita

Apesar de todas essas demonstrações de que, na verdade, é um infiltrado na esquerda (sequer falei do apoio à PM e à GCM, por exemplo), Boulos recebeu ainda mais apoio de setores supostamente “revolucionários”.

Logo de início, Boulos teve a UP (legenda de aluguel do PSOL) e o PCB (apêndice do PSOL) como partícipes da fraude que é sua chapa. Obviamente, todos os grupelhos pseudorrevolucionários que integram o zoológico que é o PSOL também o apoiaram. Alguns deles, que se autointitulam trotskistas, como a Esquerda Marxista e o MRT. A mais nova aquisição de Boulos foi o PSTU, que declarou “apoio crítico” à sua candidatura no 2º turno. Bom, pelo menos o PSTU está sendo bem coerente, uma vez que apoiou o golpe e ataca Cuba e Venezuela.

Essa esquerda caminha a passos largos para o abismo. Mesmo dizendo-se revolucionária, embarcou de cabeça na política de frente ampla representada por Boulos, para colocar o movimento operário à reboque de seus algozes. São entusiastas da colaboração de classes, mesmo que, num passado não tão remoto, tenham se recusado a lutar contra o golpe justamente porque o PT praticou a colaboração de classes. Mas eu não me esqueço: quando o PT vivia uma lua de mel com a direita, eles estavam lá, junto com o PT, apesar da colaboração de classes… Foi só a direita dar um pé na bunda do PT que eles abandonaram o PT e fizeram coro com a direita pelo golpe!

A esquerda abandonou completamente a independência de classe. Se prostituiu para a burguesia. É preciso combater essa traição escabrosa. Àqueles que não concordam com tamanha baixaria política, conclamamos a se organizar e lutar para construir um verdadeiro partido de esquerda, operário, independente da burguesia, anti-imperialista. Somente a organização independente da classe operária será capaz de reverter a situação que a esquerda pequeno-burguesa oportunista está levando às massas populares. Somente essa organização independente pode fechar as portas do abatedouro da burguesia que a esquerda pequeno-burguesa abriu para jogar os trabalhadores.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje