Por um greve geral da Educação
Contra a volta às aulas na pandemia e a farsa do Ensino à Distância, por cestas básicas para os estudantes e outras reivindicações, ergue-se um combativo movimento
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
bolsonaro inimigo da educação
Protestos de estudantes e professores em 2019, em Salvador | Foto: Arquivo DCO
Professores da rede pública fazem carreata contra retorno às aulas ...
Professores diante de bloqueio legal de ruas por parte da PM, na região do Morumbi

A importante mobilizações dos professores de São Paulo, próximo ao Palácio dos Bandeirantes, na última quarta-feira, quando  a carreata convocada pela diretoria do sindicato (APEOESP) e proibida pela PM do governo João Dória (PSDB) foi transformada em ato de rua , o primeiro de uma importante entidade de luta dos trabalhadores após a pandemia se soma a outras manifestações de professores e estudantes e apontam no sentido da necessária mobilização real, nas ruas, de trabalhadores da Educação, estudantes e de toda a Comunidade Escolar contra a politica criminosa do governo ilegítimo de Bolsonaro e de toda a direita de determinar a volta às aulas em plena pandemia, colocando em risco de contaminação milhões de pessoas, o que pode elevar brutalmente o número de mortos que – oficialmente – se aproxima dos 100 mil casos e não para de crescer.

Depois de pousarem como “científicos” e até como opositores do governo Bolsonaro, governadores e prefeitos “tiraram a máscara” e adotaram escancaradamente as posições defendidas pelo governo fascista, que são as posições do imperialismo e do grande capital nacional diante da crise: deixar o povo morrer, sem testes, sem atendimento sem nada e agira para “socorrer” os bancos e grandes monopólios.

Em entrevista coletiva concedida ontem no Palácio dos Bandeirantes, no momento em que o Estado de São Paulo, ultrapassava a marca oficial de 22 mil mortos (dez vezes mais que toda a Argentina e cem vezes mais do que o total de casos de Cuba e Venezuela juntas), a secretária de desenvolvimento Econômico de São Paulo, Patrícia Ellen, por exemplo, declarou sem rodeios:

“Ficamos muito contentes com o resultado, porque comprova que, por um lado, o plano está fazendo seu trabalho, com essa retomada gradual. Para a economia houve um resultado positivo. Houve impacto de cerca de 30% de diferença no faturamento das empresas, mas não houve impacto negativo no que diz respeito ao aumento da pandemia. Eles mensuraram isso em casos e óbitos”

Isto quando o Estado ultrapassou a marca de mais de meio milhão de casos.

A pressão pelo retorno presencial às aulas, nas próximas semanas e meses, por parte do Ministério da Educação (MEC) e dos governos estaduais e municipais é parte fundamental dessa política genocida. Visa dar a impressão de que tudo está normal apesar da evolução da pandemia e serve também aos interesses dos tubarões do ensino privado que, ameaçados de falência, querem a volta das aulas sob quaisquer condições.

Contra essa política, além da primeira mobilização de rua dos professores paulistas, na qual se superou a política conservadora de setores da própria direção sindical (como da ala mais direitista do PT e da “oposição” ligada ao PSOL/PSTU-Conlutas que integra a diretoria mais de há 20 anos) ocorrem também outras iniciativas em todo o País que indicam uma tendência geral de mobilização que precisam ser impulsionadas.

ccdd737f-e643-4e7b-824a-3abc15de0732
Ato dos estudantes no Distrito Federal

É o caso por exemplo do boicote (greve) contra o ensino à distância decretado pelos secundaristas do Setor Leste do Distrito Federal, que em assembléias votaram pela suspensão do calendário letivo, em defesa do governo tripartite nas escolas e universidades. O belo exemplo foi seguido por alunos de dois campus do Instituto Federal de Goiás (IFG) que aprovaram em assembleias virtuais indicativo de greve em assembléia estudantil virtual, o de Itumbiara e de Águas Lindas.

Em Brasília professores da Corrente Educadores em Luta  e estudantes da AJR, juventude do PCO, também realizaram protesto em frente ao Palácio do Buritis, contra a volta às aulas.

Em outras regiões multiplicam-se as iniciativas de professores, pais e alunos em defesa de reivindicações  importantes na etapa atual como a necessidade de distribuição de cestas básicas, pelos governos estaduais e municipais, para todos os alunos da rede pública diante do crescimento da subnutrição e fome provocados pela falta da merenda escolar e do colossal aumento do desemprego entre a classe trabalhadora mais pobre, usuária da escola pública.

Estes protestos apontam no sentido da necessária retomada das mobilizações, nas ruas das próprias bases estudantis e trabalhadoras, contra a paralisia das direções, profundamente paralisadas diante dos ataques do governo e colocadas e “quarentena” na quase totalidade dos casos, encenando uma “luta” nas redes sociais e até mesmo comemorando “vitórias” dos estudantes e dos educadores, como nos casos da queda do ex-ministro Weintraub e na aprovação do Fundeb, quando a situação só retrocede e milhões de vidas estão ameaçadas pela volta às aulas.

É preciso romper a paralisia, pressionar por uma greve geral da Educação contra a volta às aulas, sob a palavra-de-ordem de “volta às aulas só com o fim da pandemia e com vacina” , como levantaram os professores da Corrente Educadores em Luta (militantes e simpatizantes do PCO, em diversas regiões do País).

Ao mesmo tempo é preciso intensificar a campanha junto aos trabalhadores e à juventude, com reuniões, boletins, atos, e outras iniciativas que reuna o ativismo combativo dos trabalhadores da Educação, estudantes e pais, rumo à retomada das grandes manifestações de rua, que sirvam para derrotar os planos genocidas de Bolsonaro e de toda a direita, levantando também a reivindicação central de Fora Bolsonaro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas