Mobilização x genocídio
É preciso tomar o ato de ontem como um ponto de partida, para uma ampla campanha de mobilização em São Paulo e em todo o País
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-07-29 at 12.22.05
Faixa de Educadores em Luta no ato próximo ao Palácio dos Bandeirantes | Foto: DCO

O maior sindicato do Pais, dos professores do ensino oficial do Estado de São Paulo, realizou ontem o primeiro protesto de rua contra a política criminosa do governo João Dória (PSDB) e de toda a direita golpista de determinar o retorno às aulas em plena pandemia como parte da política de retomada das atividades econômicas, buscando passar a impressão de que a situação está sob controle, para defender os interesses dos grandes capitalistas diante da crise. E, em consequência, multiplicar o gigantesco número de mortos na pandemia que, oficialmente, devem completar cerca de 90 mil no dia de hoje, mas que – de fato – todos sabem ser de mais de 150 mil mortos – pelo menos.

A política de retorno às aulas é parte da politica genocida de Bolsonaro e de toda a direita que nada fizeram para enfrentar a situação e continuam a não fazer. Não há testes em massa, não ha atendimento para a maioria da população , nada de obras de saneamento, nada de distribuição de equipamentos de proteção etc. apenas propaganda enganosa, destacadamente, dos governadores direitistas como Dória, que se apresentam como “científicos” e ameaça condenar milhões de criança, jovens e adultos à contaminação e milhares de mortes pela covil-19 para impulsionar a reabertura e defender os interesses dos capitalistas e suas máfias políticas. Não querem, por exemplo, que aconteçam eleições sem a volta às aulas, temendo serem responsabilizados – como devem ser – pelo genocídio da população.

Isso quando estudos da Fiocruz, entre outros, apontam que a volta às aulas, como pretendida pelo Ministério da Educação (MEC) do governo ilegítimo de Bolsonaro e pelos governantes reacionários, poderia levar à contaminação de – pelo menos – 9,3 milhões de idosos e adultos e, por certo, de mais de 15 milhões de crianças e jovens. Como mostra o caso da “escola de excelência” do Exército Brasileiro, a AMAN (Academia Militar das Agulhas Negras), em Resende, onde 13% dos alunos (248) foram infectados pelo coronavírus.

Ainda muito pressionada pela politica conservadora da esquerda de não realizar protestos durante pandemia – se colocando à reboque da direita que defende, da boca para fora, o “fique em casa”, ao mesmo tempo em que condena. milhões à contaminação no trabalho, no transporte etc., a diretoria da APEOESP convocou uma carreata para protestar em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, no dia de ontem.

Mostrando seu caráter ditatorial, o tucano determinou o bloqueio pela Polícia Militar, das ruas próximas ao Bandeirantes, impedindo o acesso dos carros. Revoltados, professores presentes, pressionaram para que se realizasse uma passeata ate o palácio. A criminosa Tropa de Choque do governo entrou em ação e fechou todos os acesso com centenas de policais armados até os dentes e dezenas de carros, helicópteros etc.

Mesmo assim os professores realizaram protestos no local, com palavras-de-ordem contra o governo e a ditadura da PM.

A manifestação acabou por se constituir no primeiro protesto de rua de um grande sindicato do País contra a ofensiva da direita em plena pandemia, ultrapassando – ainda que momentaneamente – a paralisia da burocracia sindical que transformou em dogma a decisão de não sair às ruas para lutar, mesmo com o País tendo mais de 100 mil mortos e 2,5 milhões de infectados e com todo o tipo de medida adotada contra os trabalhadores, desde as demissões em massa, rebaixamento e “congelamento” dos salários, aumento exponencial da fome e da miséria etc., como se fosse possível enfrentar e barrar esta ofensiva sem mobilização real sem lutas nas ruas.

Até agora, somente setores, relativamente, mais desorganizados, sem organização sindical forte e tradição de luta, como entregadores de aplicativos e trabalhadores de call center vinham realizando protestos de maior vulto, além de trabalhadores de setores da saúde, paralisações parciais dos correios etc.

O protesto nas ruas do Morumbi, mostrou o caminho que precisa ser trilhado pelos professores, pela juventude e por toda comunidade escolar contra a politica genocida de Covas, Bolsonaro e cia. que querem reabrir as escolas, mesmo tendo decretado o cancelamento ou adiamento dos festejos de Reveillon e do carnaval.

É preciso tomar o ato de ontem como um ponto de partida, para uma ampla campanha de mobilização em São Paulo e em todo o País.

Ganhar as ruas, em protestos organizados, com as devidas medidas de proteção social, distanciamento etc. para impedir o crime da reabertura das escolas em plena pandemia e conquistar outras reivindicações, como o cancelamento do ano letivo (o que pode ser recuperado, vida não!), a promoção dos alunos do terceiro ano com livre ingresso nas universidades (e correspondentes medidas de adequação nos primeiros anos em todas as universidades), a garantia de estabilidade no emprego (desde 1/3/2020) para todos os trabalhadores da Educação e o devido pagamento integral dos salários a distribuição de cestas básicas para todos os alunos da rede pública (aplicando-se, entre outros, os recursos que deverias ser aplicados na merenda escolar e estão sendo “economizados” pelso governos.

Contra a volta as aulas e a farsa do ensino à distância (EaD) é preciso organizar uma greve geral da Educação, mobilizando em todo o País, impulsionada por comitês de luta das comunidades escolares, sindicatos e oposições sindicais classistas, CNTE, organizações estudantis e dos pais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas