Ala direita do PT: Wellington Dias segue peregrinação bolsonarista em Israel

Plenário do Senado

Na última quarta-feira, o governador do Piauí Wellington Dias (PT) se reuniu com o embaixador de Israel no Brasil, Yessi Shelley. Logo após a reunião, Dias embarcou para a capital israelense Tel-Aviv, onde irá permanecer durante as férias.

Segundo fala do próprio governador à imprensa burguesa, Wellington Dias tem interesse em estabelecer uma série de relações com o Estado de Israel: “já temos investidores de Israel no Piauí na área de diamantes e de dessalinização. Aqui, colocamos uma pauta para quatro assuntos fundamentais para o Piauí: dessalinização da água, produção de piscicultura com tecnologia avançada, saúde e segurança”. O embaixador israelense confirmou o interesse nas mesmas áreas citadas por Wellington Dias e se mostrou entusiasmado.

O estabelecimento de qualquer parceria com o Estado de Israel é uma verdadeira traição à população brasileira e ao movimento operário internacional. Israel é um dos principais braços do imperialismo para manter sua exploração sobre os trabalhadores. Criado há mais de setenta anos, o artificial e ilegítimo Estado de Israel é uma máquina de incessante massacre de palestinos, árabes e turcos, além de um centro de treinamento e desenvolvimento de mecanismos de repressão internacionais.

Se o Estado de Israel não passa de um tentáculo do imperialismo, a suposta parceria proposta por Wellington Dias é, na verdade, um contrato de submissão do estado do Piauí ao domínio israelense e, inevitavelmente, imperialista. Nesse sentido, uma parceria na segurança, por exemplo, significaria montar um esquema de espionagem e repressão sobre o nordeste controlado diretamente pelo imperialismo.

Não é à toa que o presidente ilegítimo do Brasil, Jair Bolsonaro, é um grande apoiador do Estado de Israel. Bolsonaro já visitou Israel diversas vezes, defende intransigentemente o massacre dos palestinos na Faixa de Gaza e, recentemente, afirmou que iria transferir a embaixada brasileira em Israel para a cidade de Jerusalém.

A questão da dessalinização, que foi levantada por Wellington Dias, também está nos planos do governo Jair Bolsonaro. Conforme já foi denunciado por esse diário, a parceria com Israel para a dessalinização da água é um esforço para privatizar a água no Nordeste e favorecer os capitalistas israelenses.

A defesa comum de uma parceria com o Estado ilegítimo de Israel entre Bolsonaro e Wellington Dias não é um fato surpreendente. Na verdade, desde que Bolsonaro foi eleito por meio de uma fraude escancarada, o governador piauiense vem adotando uma série de medidas direitistas, acompanhando a tendência do regime político para uma evolução à extrema-direita. Dentre uma série de acenos ao governo bolsonarista, Wellington Dias foi o porta-voz de uma carta de governadores do Nordeste que pedia o esfolamento dos servidores públicos.

O deslocamento de Wellington Dias à direita revela um dos principais aspectos da luta política no Brasil: que o governo Bolsonaro não será derrubado por meio da demagogia parlamentar. Afinal, Wellington Dias é um representante das oligarquias nordestinas, de modo que não há nenhum vínculo real entre o governador do Piauí e os interesses da classe trabalhadora.

Wellington Dias faz parte de uma ala direita do Partido dos Trabalhadores – uma ala que não tem interesse em lutar contra o golpe, mas sim em fazer tudo que for possível para se adequar às mudanças no regime político. Em oposição a essa posição capituladora e carreirista, é necessário organizar um movimento de massas contra os golpistas. É necessário organizar todos os explorados em comitês de luta e levantar a palavra de ordem de “Fora Bolsonaro”.