Privataria e sua consequência
O resultado da privatização da energia em São Paulo mostra o caminho da privatização da água no País: serviço inócuo e aumento exponencial das tarifas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
apagao-de-energia-na-grande-maceio-foi-defeito-em-subestacao
Golpistas querem jogar a população para um condições de vida medievais | Foto: Reprodução

Após o escândalo da privatização do abastecimento de água e esgoto em todo território nacional, “obra-prima” da direita tradicional, outras duas notícias na semana chamam a atenção para os desdobramentos da política de terra arrasada e rapina que é a política neoliberal. Primeiro, surgiram os apagões no centro da Grande São Paulo novamente na última semana e a notícia de que os consumidores de energia terão que pagar o empréstimo R$ 16 bilhões feito pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) a partir de 2021. 

O que ambas as coisas têm em comum é o mesmo, a precariedade do serviço oferecido e o aumento na taxa: eis a política de privatização levada em marcha pela direita “limpinha”, que é chamada até de “democrática”, em especial o PSDB. Partido responsável tanto pela privatização da água, como também do setor da energia em São Paulo.  

O empréstimo feito pela agência reguladora, criada por Fernando Henrique Cardoso para garantir o domínio dos capitalistas sobre as empresas privatizadas, tem como objetivo, segundo a agência, em suprir o rombo feito pela crise do Coronavírus sobre a produção de energia. A diretora da agência só não explica por que os trabalhadores terão que pagar a fatura.  

Segundo a diretora: “A partir de 2021, por ocasião do processo tarifário de cada distribuidora, as quotas serão repassadas às tarifas a serem aplicadas pelas distribuidoras aos consumidores finais e permanecerão pelo tempo necessário à amortização das operações de crédito”. A previsão é que os trabalhadores serão o colchão que amortece a crise capitalista na produção de energia até 2025, mas pode ser “pelo tempo necessário”. Em português mais claro, enquanto a crise perdurar quem paga a conta são as massas trabalhadoras, enquanto os capitalistas continuam com seus lucros obscenos. 

A Enel, tubarão do imperialismo italiano na produção de energia, já reajustou as tarifas de São Paulo em 2,48%. Na frente da agência, que em tese “controlaria” as empresas, mostrando inclusive a criação dessas agências sobre esse pretexto não passa de uma balela. Como também é uma asneira o pretexto de que se deve aumentar a tarifa por causa do Coronavírus. Deveria diminuir tendo em vista a precariedade da vida da população durante a crise.  

Mas não é isso que está em jogo, o que está em jogo é o lucro dos grandes capitalistas. Com os lucros gigantescos por ser uma necessidade básica, atingindo toda a população, inclusive um direito básico da Constituinte de 1988. Esse vai ser o mesmo fim da privatização da água: muita tarifa para nada. É preciso uma grande mobilização para barrar essas aberrações dos golpistas e colocar Bolsonaro para fora, colocando esse regime que empurra a população para uma situação medieval, sem água nem luz, abaixo. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas