Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
77caceba10778301611a7a93d3686e43
|

Criada em 2006, no governo Lula, a Lei Maria da Penha surgiu numa tentativa de acabar com a violência contra a mulher, sobretudo a doméstica.

A lei completa 13 anos em 2019 e seu nome foi dedicado ao caso de Maria da Penha, que durante anos foi vítima de agressão do marido, incluindo duas tentativas de assassinato que a deixaram paraplégica.

Mas o que a lei mudou para as mulheres? Ela é realmente eficiente?

Segundo o relatório do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) de 2015, o número de homicídios de mulheres caiu em cerca de 10%, e as principais evoluções da lei foram a ampliação e as medidas protetivas de urgências em favor da mulher e contra o agressor.

Porém, a mesma pesquisa constata que as taxas de morte estavam em cerca de 5,28 a cada 100 mil mulheres antes da lei (entre 2001 e 2006) e, para depois da lei (2006-2011), diminuiram pra 5,22. Um número quase que insignificante.

Dados do Atlas da Violência, que analisou o período entre 2007 e 2017, constatam que, nessa faixa de tempo, o número de homicídios contra mulheres aumentou em 30,7%.

Ainda na pesquisa do Ipea, foi constatado que só em 10% dos municípios brasileiros existe algum tipo de organismo em defesa das mulheres, sendo a maioria em capitais e concentrados nas regiões sul e sudeste. São aproximadamente 77 casas e abrigos distribuídos em 70 municípios.

Em São Paulo existem cerca de 30 casas de atendimento às mulheres para os 645 municípios paulistas, isso sem contar os que o atual governados do estado, João Doria, decidiu fechar. Os estados de Rondônia e Acre não contam com nenhum abrigo preparado para ajudar as mulheres vítimas de agressão.

Precisamos ressaltar que esses dados são apenas os denunciados, os que foram computados. A estimativa é que eles sejam apenas 10% dos casos de violência que acontecem. Para os casos de estupro, o número é ainda menor: é estimado que os dados que existem englobam apenas 7,5% do número real.

A falta de dados sobre a violência contra a mulher piora desde o Temer, a exemplo da extinção da secretaria de políticas públicas para as mulheres. Os temas referentes as mulheres estão atualmente no ministério da justiça, com Moro.

Para melhorar, a demagogia da direita sobre a questão da mulher só aumenta: recentemente, a deputada e líder da bancada do PSL na Câmara, Joice Hasselman, sugeriu que fosse feito um “endurecimento” na lei Maria da Penha, dando liberdade ao policial de invadir a casa da vítima e prender o suspeito logo de cara.

O governo Bolsonaro agora propõe algo “novo”: pagar policiais militares e policiais da força nacional de segurança para irem em lugares com altos índices de violência contra a mulher nos finais de semana, afim de combatê-la.

Como sempre, a política da direita é encarcerar a população e, para isso, usa tais leis e ainda ganha apoio da esquerda pequeno-burguesa.

São inúmeros ataques as mulheres desde o começo do mandato de Bolsonaro: a proibição dos anticoncepcionais, a criminalização irrestrita do aborto e o direito do estuprador ver o filho foram propostas do governo fascista que não entraram em vigor, entretanto, ataques como a reforma da previdência e a reforma CLT já foram concretizados. Vale salientar também que no primeiro semestre de 2019 os casos de violência contra a mulher chegaram a 74.361, contando com pelo menos 67 mortes.

Não podemos nos iludir com a demagogia da direita, assim como também não podemos nos iludir com a política da esquerda pequeno-burguesa que, por sua vez, é influenciada pela imprensa burguesa.

A violência contra a mulher é resultado da sua condição material na sociedade. Ela não existe como algo sobrenatural que surgiu do nada, não é um problema de cultura e nem de educação. Vivemos numa sociedade dividida em classes, onde a mulher é rebaixada a uma condição subumana, a qual é inferior a do operário e, portanto, é vista como uma propriedade do homem, estando submetida a ser tratada como um ser humano de segunda categoria, sem direitos e sujeita a sofrer violência.

A total emancipação das mulheres só virá através de uma revolução proletária, tais leis são repressivas e só incentivam o aumento do encarceramento da população, não sendo realmente efetivas. Enquanto isso, precisamos intensificar a luta contra a extrema-direita e pelo fora Bolsonaro e todos os golpistas.

Assista ao último programa Mulheres, que debateu o tema, na COTV: https://www.youtube.com/watch?v=Jb1OAncvV6Q

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas