Terra e Moradia
A manobra de Zema foi uma tentativa de desmobilizar a mobilização em torno do despejo covarde feito pelo governador bolsonarista. A PM já havia na semana passada invadido o local.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
MST 2
Famílias do acampamento Quilombo Campo Grande há mais de 30h em embate contra o despejo da PM | Reprodução / Instagram MST

Neste exato momento em que esta matéria é escrita, o acampamento do MST, Quilombola Campo Grande, sofre uma tentativa de despejo realizada pela PM fascista do governador mineiro Romeu Zema (partido NOVO).

São mais de 450 famílias: crianças, idosos, mulheres trabalhadoras e trabalhadores do campo. Alí, na cidade de Campo do Meio (MG), são produzidos diversos alimentos, e, principalmente, o café: são 510 toneladas de café que há 20 anos pelo agricultores sem-terra, que têm ali investidos 20 milhões em infraestrutura ao longo dos anos.

A PM havia tentado nesta quarta (12) o despejo, e Zema havia mentido na sua rede social que havia cancelado a reintegração de posse. Uma reunião de 65 deputados junto com a Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH) enviaram um ofício a Zema para tratar da reintegração de posse. O governador postou no Twitter mensagem dizendo que a Secretaria de Desenvolvimento Social havia solicitado a suspensão de cumprimento de ordem judicial para reintegração de posse durante a pandemia. Depois, faz uma nova postagem se desdizendo, reafirmando que a PM cumpria ordem judicial dada pelo juiz da Comarca de Campo do Meio.

A manobra de Zema foi uma tentativa de desmobilizar a luta contra o despejo covarde feito pelo governador bolsonarista. A PM já havia na semana passada invadido o acampamento e desmontado a escola Popular Eduardo Galeano, que oferece educação popular aos jovens, às crianças e adultos.

Essas terras interessam diretamente à empresa Jadil, pertencente ao empresário João Faria, maior produtor individual de café do mundo, que vende, inclusive, para a suíça Nestlé. “Ele é quem financia esse conflito e quem financia a não resolução desse conflito por outros meios (não judiciais). A usina está falida, está transitado em julgado, mas ele defende que ela pode ser recuperada”, explicou a coordenadora do MST Tuira Tule. 

O fato é, que a mentira não fez com que a PM arredasse o pé do local; permaneceram ali a noite toda e tentam agora retirar as 450 famílias do Quilombo a base da violência e covardia. Violência esta que só aumentou desde o período do golpe contra a presidenta Dilma Roussef, e se aprofundou nos períodos posteriores dos governos golpistas Michel Temer, e principalmente, Jair Bolsonaro.

É necessário denunciar e mobilizar pela autodefesa das organizações populares do campo contra o genocídio promovido pelo Estado, dos governos bolsonaristas de Zema e do governo federal, que têm perseguido, expulsado e assassinado os campesinos, quilombolas, indígenas e sem-terras, em favor de latifundiários da burguesia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Relacionadas