Siga o DCO nas redes sociais

Militares nas escolas do país
Zema ataca estudantes e estabelece escolas militares em MG
MEC diz não ter dinheiro para a Educação, mas promete 1 milhão de reais por ano para as escolas que aderirem à militarização.
escola militarizada
Militares nas escolas do país
Zema ataca estudantes e estabelece escolas militares em MG
MEC diz não ter dinheiro para a Educação, mas promete 1 milhão de reais por ano para as escolas que aderirem à militarização.
Escola militarizada
escola militarizada
Escola militarizada

A Secretaria de Educação de Minas Gerais informou que irá aderir ao programa do Ministério da Educação de militarizar as escolas públicas. A princípio, duas escolas serão escolhidas.

Embora faça propaganda sobre a necessidade de corte de gastos, o MEC vêm implementando este modelo nefasto de militarização escolar, no caminho contrário do desenvolvimento educacional no mundo inteiro. Cada escola irá receber um milhão de reais por ano para aderir ao projeto – dinheiro que seria mais do que suficiente para dar melhores condições de salário e estudo, mas que o Ministério prefere usar como isca para os diretores. O objetivo do MEC é colocar militares em 216 escolas estaduais até 2023.

A falsa propaganda do MEC é que este projeto seria implementado após consulta à comunidade escolar, mas o fato é que as consultas feitas não tiveram valor nenhum, como ocorreu no Distrito Federal, onde as escolas foram militarizadas mesmo quando a proposta foi rejeitada. Se estivesse realmente preocupado em “ouvir a comunidade escolar”, o MEC nem precisaria lançar este projeto. A comunidade escolar sempre fala, e sanar as deficiências de ensino brasileiro não requer nenhuma genialidade, exceto a vontade política.

A verdadeira intenção é manter uma vigilância e subordinação maior da comunidade escolar à instituição militar. As escolas são uma das principais esferas de formação política de uma sociedade. Trata-se de um espaço privilegiado de conversa, onde os professores – uma classe encarregada de transmitir os bens culturais da sociedade às próximas gerações – se encontram diretamente com a população jovem e, por tabela, com seus pais.

A crise que vêm destruindo as conquistas e o progresso do último século é conduzida por uma elite capitalista que se tornou parasitária, incapaz de promover riqueza, portanto incapaz de governar, e que precisa se escorar em classes formadas para reprimir. Por isso este namoro com o regime militar que procura também se legitimar nas escolas.

Se a militarização fosse uma verdadeira necessidade para melhorar as condições das escolas brasileiras, os ricos já teriam aderido a este modelo. Como os fatos mostram, nem por um milhão de reais as escolas privadas quiseram participar.