Imperialismo à caça de Lula
Sob o pretexto de corrupção de Zanin, o imperialismo começa a se articular contra Lula, para impedir de vez a sua progressão diante da campanha de colocá-lo no páreo da eleições.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
zanin
Cristiano Zanin e Marcelo Bretas | https://revistaforum.com.br/politica/zanin-solta-nota-e-acusa-bretas-de-agir-a-mando-de-bolsonaro/

Se utilizando de um subterfúgio farsesco de apurar um suposto desvio de verbas do Sistema S, de onde seriam financiados tráfico de influência no STJ – Superior Tribunal de Justiça, e no TCU – Tribunal de Contas da União, o juiz federal lavajateiro Marcelo Bretas, em 1º setembro, ordenou a bloqueio de até R$ 237,3 milhões em bens do advogado Cristiano Zanin e de seu escritório com o também advogado Roberto Teixeira, demonstrando o claro interesse de prejudicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, uma vez que se trata de uma tentativa de inviabilizar a defesa dos advogados que o defende na ações da Lava Jato, conteúdo processual que foi conhecido ontem, quando teve levantado o sigilo dos autos e divulgada a decisão em questão.

Dentre os fatos narrados na denúncia do MP que relacionou os crimes e motivou a investigação estão os desvios de R$ 151 milhões em contratos feitos com a Fecomércio-RJ e pagos pelo sistema S para serviços de advocacia que não teriam sido realizados, no período de 2012 a 2018, sob a liderança de Zanin e Teixeira, envolvendo 26 pessoas ligadas a escritórios de advocacia por organização criminosa, estelionato, corrupção (ativa e passiva), peculato, tráfico de influência e exploração de prestígio.  

A farsa, tanto quanto com Lula, acontece intermediada por uma delação premiada, artifício fraudulento já conhecido e que chantageia pessoas para dar declarações contra Lula, ou que o prejudiquem. Neste caso tem a participação do  ex-gestor que foi presidente da Fecomércio, do Sesc e Senac Rio, Orlando Santos Diniz, também apontado como líder do esquema, que declarou ter se utilizado de formas de burlar a fiscalização de conselhos fiscais e do TCU. Bretas completa: “Ademais, os advogados tinham ciência, a princípio, de que estavam sendo pagos pela Fecomércio e, posteriormente com verba pública das entidades paraestatais, para atuar em favor de Orlando Diniz”.

As declarações de Zanin e Teixeira são de que são inocentes. Zanin em seu Twitter vem a público para se defender e dizer: “É fake a notícia de que foi apreendido o valor de R$ 237 milhões das minhas contas. Para além do abuso de autoridade e do lawfare, trabalham com a mentira e a desinformação mesmo contra alguém que sempre atuou na iniciativa privada.”

Na medida acolhida pelo juiz lavajateiro, a afirmação de que, tanto  o escritório de que tanto Roberto Teixeira e Cristiano Zanin, “teria sido o precursor no recebimento de honorários advocatícios exorbitantes pagos pela Fecomércio/RJ em prol de interesses particulares de Orlando Diniz”. Zanin nega bloqueio afirmando que, não só não houve bloqueio, como nunca teve esse valor, e que, embora o juiz tenha dado a ordem, seu decisão é:”  “novo grave e abuso de autoridade”. 

O momento é oportuno para que a burguesia sequestre, com essa medida, documentos importantes que estão em posse de Zanin, segundo denunciou,documentos esses que após anos de requisição à justiça e revelações importantes sobre a operação lava a jato estão indo à público para derrubar de vez a operação lava jato e seus interesses espúrios que inclui prender o ex-presidente Lula a qualquer custo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas