Fascista recorre aos golpistas
Witzel pede ajuda do STF para escapar do impeachment. A esquerda não pode ficar assistindo a luta política
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
iiki(1)
O fascista Wilson Witzel | Foto: Paulo Vitor/ Fotos Públicas

Em meio à disputa política entre setores da burguesia, o governador fascista do Rio de Janeiro Wilson Witzel está envolvido em um processo de impeachment que tramita na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ). A resposta política de Witzel foi apelar ao “guardião da democracia”, o golpista (STF).

Lembramos que o fascista, eleito na onda bolsonarista que foi impulsionada pela burguesia nas eleições de 2018, já chegou até a atirar de cima de um helicóptero em comunidades pobres, mas obviamente seu processo não tem relação nenhuma com a série de violências em um ano e meio de governo.

O pedido de impeachment foi apresentado por dois deputados do PSDB com base em supostas fraudes em contratos da saúde. Por envolver tucanos numa luta contra a corrupção, fica claro que o que está em jogo não passa de uma disputa política entre facções políticas da burguesia. O PSDB tem lançado mão de uma série de estratégias para tentar ressuscitar politicamente nas próximas eleições, sendo a mais abrangente delas a Frente Ampla.

O pedido de impeachment se situa nesse panorama pré-eleitoral, onde os representantes “puro-sangue” da burguesia tentam se apresentar como uma alternativa democrática ao bolsonarismo. O pior é que vários setores da esquerda vêm caindo nesse canto de sereia dos políticos tucanos e acabam ajudando nessa empreitada.

O movimento de Witzel em direção ao STF revela uma tentativa de acordo com os militares. Pra quem já esqueceu, vale lembrar que o presidente do STF, Dias Toffoli, é assessorado pelo general Ajax Porto Pinheiro. Depois de alguns atritos com Bolsonaro, quando chegou até a ser elogiado por esquerdistas desnorteados, Witzel recorre agora ao mesmo fiador do rival de ocasião, os militares.

Nesse terreno institucional, o destino de Witzel depende da sua capacidade em “entrar na linha” do bolsonarismo através de acordos com as forças políticas que mantém Bolsonaro intocado, mesmo diante de vários crimes envolvendo o “capitão”. De qualquer modo, o resultado desse imbróglio institucional será uma manobra, mesmo que o governador seja destituído.

A esquerda não pode ser mera espectadora desses conflitos e arranjos políticos entre a burguesia. É preciso ir além das ações parlamentares pois a esquerda não controla as instituições políticas. O terreno de luta concreto são as ruas, que devem ser ocupadas pelas massas a partir da ação da esquerda, que deve levantar claramente as palavras de ordem “Fora Witzel” e “Fora Bolsonaro”.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas